General Ramos refuta com veemência jornalista do Estadão

Uma jornalista do Estadão, em matéria publicada neste sábado (25) atribui uma série de declarações a “alguns oficiais generais”, segundo ela, “ouvidos pelo jornal”.

Tânia Monteiro, a dita jornalista, coloca entre aspas as tais declarações, mas não dá nomes a seus autores.

Diz apenas que ouviu os tais militares, que, entre outras coisas, teriam dito que estão “chocados” e que o presidente Bolsonaro “virou um zumbi”.

Em suma, um material jornalístico suspeito, com a clara intenção de tão somente atacar o presidente da República, com supostas falas de generais “anônimos”, que, tudo indica, não existem.

Nesse sentido, o General Luiz Eduardo Ramos, refutou “veementemente” o material “jornalistico”.

Eis a manifestação do general:

“Refuto veementemente o plural usado pela jornalista Tânia Monteiro, em sua matéria de hoje no Estadão, quando menciona “alguns oficiais Generais chegaram a lamentar que estejam no governo até o pescoço “ Nenhum de nós: Heleno, Fernando, Braga Netto e Rego Barros afirmamos isso!!”

É, realmente, uma situação lamentável. “Jornalismo” de quinta categoria.

Seria interessante que o Estadão se manifestasse e apontasse quem são os autores das declarações contidas na matéria, senão fica parecendo “fake news”.

Aliás, é o Estadão que possui uma agência de checagem, a “Estadão Verifica”.

É providencial que a tal agência faça uma varredura dentro de casa.

Constrangedor esse tipo de coisa.

Confira:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários