Advogado de Bolsonaro rebate acusações de Moro e afirma que saída foi “estranha” (veja o vídeo)

Em entrevista nesta segunda-feira, 27, o advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef, rebateu as acusações feitas pelo ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Em seu último pronunciamento como ministro, Moro disse que Bolsonaro queria interferir politicamente na Polícia Federal (PF).

“Em primeiro lugar, com o máximo respeito que tenho ao doutor Sérgio Moro. Porém, a afirmação feita em desfavor do presidente da República, de que estaria intervindo na Polícia Federal é uma armação, uma farsa. Isso simplesmente não existe”, disse o advogado.

Wassef afirmou que não podemos confundir um ato administrativo com ingerência política na PF.

“Infelizmente é uma mentira e nada tem a ver com a realidade”, rebateu.

O advogado foi perguntado sobre uma possível “armação” que pode estar sendo criada para retirar o presidente do poder.

“São as pessoas que atentam contra a democracia brasileira e querem a todo custo tirar o presidente da República de sua cadeira”, explicou.

Wassef relembrou que ‘tentaram assassiná-lo e não funcionou. Começaram com fraudes, não funcionou. Aí partiram para cima de seu filho, senador Flávio Bolsonaro, com imputações e ilações irresponsáveis de crimes que ele jamais cometeu’.

“Todos sabem que o senador Flávio Bolsonaro jamais recebeu um único R$ 1, seja de Queiroz, seja de quem quer que seja”, explicou.

Sobre outras acusações feitas por Moro, Frederick Wassef classificou a saída do ex-ministro como “estranha”.

“Me causa estranheza [a saída dele do cargo] (…) A forma como foi feita foi traumática. Abalou a imagem do Brasil no exterior. Abalou a economia, disparou o dólar, abaixou a bolsa. Eu não entendo como pode um ministro de estado entrar em confronto com o presidente da República por causa de um delegado da polícia”, destacou.

Confira:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários