assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

A Ciência contra o isolamento social

Ler na área do assinante

Há uma interessante frase atribuída a Nelson Rodrigues segundo a qual “toda unanimidade é burra. Quem pensa com a unanimidade não precisa pensar”.

Essa frase se aplica ao momento que estamos vivendo. Isso porque temos, agora, uma unanimidade quanto à necessidade de um isolamento social. E essa “unanimidade” está influenciando de forma dogmática e nefasta nossos gestores, especialmente prefeitos e governadores.

Mas há, realmente, unanimidade quanto ao isolamento?

Em algum momento, aliás, houve mesmo unanimidade quanto à necessidade de sua aplicação?

Bom, respondendo à primeira questão há, sim, uma unanimidade. Mas se trata de uma unanimidade restrita a um determinado grupo. Esse grupo é formado quase exclusivamente por alguns setores, especialmente meio acadêmico, grande mídia, judiciário e, claro, núcleos políticos (sobretudo, mas não apenas, de esquerda).

Tais setores viram na pandemia do coronavírus uma oportunidade, talvez a única, de desestabilizar o governo mediante a criação de um caos econômico.

Suponho que muitos sejam apenas ou ingênuos ou estúpidos. Mas há aqueles que sabem exatamente o que estão fazendo, pois o fazem com um propósito: causar a desestabilização do governo federal pela devastação da economia (e, consequentemente, pela destruição de milhões de vidas). Daí o surgimento de várias manifestações pró-impeachment.

Não há coincidência aqui. Estão aproveitando o caos que criaram com o estancamento da atividade econômica ou para destituir nosso presidente ou para impedir uma eventual reeleição em 2022 (não se enganem, a esquerda é paciente: estão agindo agora para, assim, criar condições para situações futuras).

Sobre a segunda questão, não, nunca houve realmente uma verdadeira unanimidade quanto à necessidade de um isolamento. O que ocorreu foi um amordaçamento daqueles que porventura destoassem da unanimidade artificial criada pelo mainstream.

Mas com mordaça sendo afrouxada, eis que muitos cientistas estão mostrando-nos o que é realmente a ciência: ela é investigação, busca pela verdade, o que implica em ela se distanciar do dogma (e de idiossincrasias).

Mais: implica em ela ser falseável, objeto de críticas factuais e racionais. E, diante do afrouxamento da mordaça, vemos que alguns dos dogmáticos, agora, apelam para expedientes torpes, como, por exemplo, atribuir uma espécie de instinto homicida àqueles que discordam do isolamento.

Duvidam? Então vejam o que dizem aqueles que nesse momento orientam nosso governador e prefeitos (aqui no RS):

“Não é hora de pensar em aliviar as medidas de isolamento”; “se voltar subitamente, vai ter pico de casos, vai morrer mais gente”.

Parece ou não terrorismo? Será que eu, como defensor do afrouxamento, sou dotado de um instinto frio e homicida? Estarei apenas preocupado com a economia, a despeito de quantas vidas essa preocupação possa custar?

Não, não estou colocando a economia acima das vidas. Primeiro, porque o caos econômico já causou milhares de desempregados. E isso tem um impacto terrível sobre as vidas humanas.

É fácil falar em não afrouxar as medidas de isolamento quando seu emprego é vitalício e os seus proventos estão assegurados mensalmente. Mas o fato é que fome e desespero também causam mortes. Esse é um ponto.

O segundo diz respeito à necessidade da medida de isolamento mesma.

E aqui vem o importante dissenso, algo louvável em ciência. Sem ele, aliás, ela sequer poderia ser denominada ciência.

E de onde vem esse dissenso?

Essa é a parte interessante. Esse desacordo com o mainstream vem de cientistas altamente relevantes, a maioria deles ligada a instituições de relevância mundial.

Diferentemente dos “pesquisadores” que temos escutado (pois a mídia somente oferece espaço a eles), os quais são em sua maior parte indivíduos vaidosos e pequenos, preocupados com coisas pequenas (política universitária, por exemplo), os cientistas que vou citar a seguir são altamente qualificados, sendo referência em suas áreas (com milhares de citações em periódicos acadêmicos), embora não sejam, obviamente, “donos” da verdade. Mas, ainda que não representem um dogma, certamente são incomensuravelmente mais qualificados do que aqueles que nesse momento afirmam que, com a flexibilização do comércio, “teremos muitas mortes” (algo que a experiência mesma vai mostrar que não é o caso. Trata-se de uma previsão tão confiável quanto as previsões de algum consultor astrológico).

Assim, uma matéria recente do ‘Europost’ (26 de Março) fez uma imensa contribuição para o avanço da ciência: editou uma matéria com doze pesquisadores altamente influentes em suas áreas, a saber, áreas atinentes à epidemiologia, à microbiologia, à pneumologia e a outras ligadas a problemas respiratórios. Alguns deles eu já os citei em outros textos aqui no JCO:

Mas todos têm em comum uma posição contrária ao isolamento que nos foi imposto. Alguns focam em razões de saúde, outros em razões econômicas e sociais. Mas em comum eles sustentam que não apenas não há fundamento algum para um isolamento nos moldes que adotamos (“intervenção horizontal”), mas que essa medida causará incontáveis danos à saúde, à sociedade e à economia.

Por exemplo, temos o Dr Sucharit Bhakdi, o qual é especialista em microbiologia, bem como Professor na prestigiosa Johannes Gutenberg-Universität Mainz. Dr. Bhakdi também é chefe do departamento de microbiologia médica e higiene nessa mesma instituição. Além disso, ele é um dos cientistas mais citados da Alemanha, tendo recentemente escrito uma carta aberta a Angela Merkel, na qual ele demandava que as políticas isolacionistas fossem revistas.

Em uma entrevista que já conta com mais de um milhão de visualizações ele afirma que “as medidas governamentais anti-COVID-19 são grotescas, absurdas e muito perigosas”.

Não apenas isso, ele diz que “todas essas medidas estão levando à autodestruição e ao suicídio coletivo baseadas em nada, somente em fantasmas”. Sim, “grotesco” é um termo apropriado para quem pretende causar terror afirmando “vai morrer mais gente” se recomeçarmos a atividade econômica.

Outra voz discrepante é a de Wolfgang Wodarg, médico alemão especialista em pneumologia e ex-presidente da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa.

Em uma entrevista ele afirma que “políticos estão sendo assediados por cientistas, cientistas que querem se tornar importantes para conseguir dinheiro para suas instituições. Cientistas que apenas nadam de acordo com a correnteza no mainstream e querem parte disso”.

Ou seja, querem, de forma mesquinha, se beneficiar da pandemia.

Ele segue: “e o que falta agora é uma maneira racional de olhar para as coisas”. Sim. Falta racionalidade nesse momento.

Estamos sendo movidos por paixão, por instintos (medo da morte, por exemplo, especialmente diante de afirmações como “vai morrer mais gente”), e sequer questionamos o que os “especialistas” em nossas universidades e na grande mídia nos estão impondo. Tomamos um dogma imposto por sujeitos irrelevantes e ignoramos o que os verdadeiros cientistas nos estão dizendo.

Citemos também o Dr. Joel Kettner, Professor de Ciências de Saúde Comunitária e Cirurgia na Universidade Manitoba (Canadá), bem como Diretor médico do Centro Internacional de Doenças Infecciosas. Recentemente ele afirmou nunca ter “visto tal reação”.

Segundo ele, “devemos colocar as coisas em sua devida perspectiva”. Ele afirma ter acompanhado mais de 30 pandemias e, em nenhuma ocasião a reação foi o isolamento tal qual o que está sendo imposto agora. Ele chama a atual reação de “campanha do pânico” (lembrem do “vai morrer mais gente”). Não apenas isso, segundo ele estamos diante de “um dos maiores escândalos da medicina do século”.

Outra voz que começa a ganhar espaço é a de John Ioannidis, Professor de Medicina, Pesquisa e Políticas na área da Saúde e de Ciência de dados biomédicos da Faculdade de Medicina da Universidade Stanford (USA).

Segundo ele há um exagero nas medidas adotadas para conter o COVID-19. Como ele observa, “mesmo algumas gripes leves conhecidas por décadas podem ter uma taxa de fatalidade superior a 8% quando infectam idosos em casas geriátricas”.

Ora, como ele nos diz, tendo em mente seu contexto, “a única situação em que uma inteira população foi testada foi com população do navio Diamond Princess, e a taxa de fatalidade foi de 1%, e isso especialmente na população idosa”. Bem menor do que a gripe comum, não? Segundo o Professor Ioannidis, as medidas isolacionistas não têm qualquer fundamento confiável.

Citemos também Yoran Lass, um médico israelense e ex-diretor geral do Ministério da Saúde em Israel. Segundo ele, a “Itália é conhecida por sua enorme morbidade em problemas respiratórios, mais de três vezes do que qualquer outro país europeu.

Nos USA cerca de 40 mil pessoas morrem em uma estação comum de gripe”. “Em todo país mais pessoas morrem de uma gripe comum comparativamente àquelas que morrem de coronavírus.

Há um bom exemplo do qual esquecemos: a gripe suína de 2009. Aquele foi um vírus que atingiu o mundo a partir do México e até hoje não há vacina contra ele. Mas o que? Naquela época não havia Facebook ou ele estava em sua infância. O coronavírus, pelo contrário, é um vírus com relações públicas”. Segundo ele, “o coronavírus é menos perigoso do que a gripe comum”, sendo que as medidas de isolamento social “matarão mais pessoas do que o vírus”.

Além disso, “os números não são compatíveis com o pânico”, sendo que “a psicologia está sobrepujando a ciência”.

Temos também o médico suíço Pietro Vernazza, especialista em doenças infecciosas no Hospital St. Gallen e Professor de Políticas de Saúde. Segundo ele, os dados apontam para o fato de que na China “em torno de 85% de todas as infecções ocorreram sem que se percebesse a infecção”.

Não apenas isso, “90% dos falecidos com a doença tinham mais de 70 anos, 50% tinham mais de 80 anos”. “Na Itália, (...) estatisticamente uma a cada 1 mil pessoas foi infectada”, sendo que “uma em dez das infectadas morreu”. “Cada caso individual é trágico, mas frequentemente – tal como ocorre na estação da gripe comum – é afetada a pessoa que já está no fim de sua vida. Se fecharmos escolas, evitaremos que as crianças rapidamente se tornem imunes. Deveríamos integrar melhor os fatos científicos com as decisões políticas”.

Voltando à Alemanha, temos o radiologista, ex-presidente da Associação Médica Alemã, Frank Ulrich Montgomery.

Com efeito, ele é também diretor da Associação Médica Mundial. Segundo ele, “não sou fã do lockdown. Qualquer um que impõe algo assim deve também dizer quando e como ele terminará. Uma vez que assumimos que o vírus estará conosco por muito tempo, me pergunto: quando retornaremos à normalidade? (...) A Itália impôs um lockdown e ele causou o efeito oposto. Eles rapidamente atingiram os limites de sua capacidade, mas não frearam o avanço do vírus dentro do lockdown”.

Também na Alemanha encontramos o Professor Hendrik Streeck, pesquisador do vírus HIV, epidemiologista e pesquisador clínico. Ele é Professor de virologia e diretor do Instituto de Virologia e HIV na Universidade de Bonn. Contra o mainstream, ele afirma que “o novo patógeno não é tão perigoso, ele é inclusive menos perigosos do que o Sars-1”. Ele menciona que a periculosidade do Sars-1 reside em que ele se aloja rapidamente nos pulmões. Além disso, ele traz a tona um ponto deixado de lado na discussão sobre as mortes atribuídas ao COVID-19: as pessoas estão morrendo por causa do vírus ou com o vírus? Ou seja, boa parte das pessoas não morreria de qualquer forma, mesmo com uma gripe comum? Essa parece uma pergunta “fria”, mas a ciência não deve estar preocupada com o “politicamente correto”.

Além dos pesquisadores já citados, temos o Dr. Yanis Roussel, pesquisador do Institut Hospitalo-universitaire Méditerranée Infection (Marseille), segundo o qual o problema do SARS-CoV-2, causador da atual pandemia de COVID-19, “é superestimado”. Afinal, “2.6 milhões de pessoas morrem de infecções respiratórias todo ano”.

Alinhado com os pesquisadores citados até esse ponto está o Dr. David Katz, diretor fundador do Centro de Pesquisa em Prevenção da Universidade Yale. Afirma ele: “estou profundamente preocupado que as consequências sociais, econômicas e de saúde pública desse quase total esfacelamento da vida normal – escolas e negócios fechados, encontros banidos – sejam longas e calamitosas, possivelmente mais graves do que o custo do vírus mesmo. O mercado vai se recuperar novamente, mas muitos negócios não irão. O desemprego, o empobrecimento e o desespero provavelmente resultarão em flagelos de primeira ordem na saúde pública”.

Outro pesquisador relevante que cabe citar aqui é o Professor Michael T. Osterholm. Com efeito, ele é Professor e diretor do Centro de Pesquisas e Políticas em Doenças Infecciosas da Universidade de Minnesota.

Segundo ele, “considere o efeito de fechar escritórios, escolas, sistemas de transporte, restaurantes, hotéis, lojas, cinemas, conservatórios, eventos esportivos e outros locais indefinidamente, deixando todos os seus trabalhadores desempregados e à mercê de doações públicas.

O resultado mais provável será não apenas uma depressão econômica, mas um completo colapso econômico, com incontáveis empregos permanentemente perdidos, muito antes de a vacina estar pronta ou, mesmo, de termos adquirido imunidade”.

Esse é o quadro. Mas qual a saída? Ainda segundo o Dr. Osterholm, “a melhor alternativa será provavelmente permitir àqueles com baixo risco de contraírem uma doença séria que trabalhem, mantenham seus negócios ... e deixem a sociedade andar, enquanto, ao mesmo tempo, avisando aos indivíduos de alto risco para se protegerem mediante distanciamento físico (...)”. Conforme Osterholm, devemos “construir nossa imunidade sem destruir a estrutura financeira sobre a qual estão fundadas nossas vidas”.

Por fim, podemos ainda nos referir ao Dr. Peter Goetzsche, Professor de Pesquisa Clínica, Design e Análise na Universidade de Copenhagen. Ele também é fundador da Cochrane Medical Collaboration.

Segundo ele, a pandemia do coronavírus é “uma epidemia do pânico em massa”, sendo que “a lógica foi sua primeira vítima”. Além disso, ele diz algo simples, mas que nesse momento de histeria tem sido ignorado, a saber, “que nosso problema principal é que ninguém terá problemas por adotar medidas muito draconianas. Eles somente terão problemas se fizerem pouco.

Assim, nossos políticos e aqueles trabalhando com saúde pública fazem mais do que deveriam. Nenhuma medida draconiana foi adotada durante a pandemia de influenza em 2009, e tais medidas não podem ser aplicadas todos os invernos ... não podemos fechar o mundo permanentemente”.

As medidas “draconianas” às quais ele se refere estão sendo tomadas porque nossos prefeitos e governadores se preocupam sobretudo com a próxima eleição.

Assim, seguindo a orientação de “especialistas” torpes (que causam terrorismo afirmando que “vai morrer mais gente”) eles, receosos e politicamente corretos, optam por impor o isolamento. Basta ver que, ao mínimo relaxamento no isolamento, eles são atacados e acusados de serem responsáveis pelas mortes que sequer ocorreram.

Estamos, a meu ver, diante de uma incontinência emotiva. Sentimentos estão determinando nossas vidas, em detrimento dos fatos e das boas razões. Apenas para finalizar, menciono, aqui, um estudo francês publicado no ‘Journal of Antimicrobial Agents’, intitulado “SARS-CoV-2: Fear versus Data” (medo versus dados), no qual lemos que o “problema SARS-CoV-2 é superestimado”, “uma vez que sua taxa de letalidade não difere significantemente dos coronavírus identificados no estudo realizado em hospital da França”.

Com efeito, o tempo nos mostrará a verdade. Aliás, ela já está sendo desvelada, como os cientistas acima citados nos permitem ver. Mas o problema não é esse. O real problema são os danos irreparáveis e ainda incomputáveis que serão causados pela medida isolacionista que ignora a Ciência e busca fundamento no medo e na estupidez (“mais gente vai morrer”), frequentemente com motivações políticas desprezíveis.

Carlos Adriano Ferraz. Graduado em Filosofia pela Universidade Federal de Pelotas (UFPEL), Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), doutor em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), com estágio doutoral na State University of New York (SUNY). Foi Professor Visitante na Universidade Harvard (2010). Atualmente é professor da Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) na graduação e no Programa de Pós-Graduação em Filosofia, no qual orienta dissertações e teses com foco em ética, filosofia política e filosofia do direito. Também é membro do movimento Docentes pela Liberdade (DPL), sendo atualmente Diretor do DPL/RS.

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários