O ativismo judicial já retirou o poder de Bolsonaro

O esvaziamento dos poderes presidenciais, através das decisões judiciais ilegais, é um exemplo nítido entre a diferença de ganhar as eleições e de ganhar o poder.

Dirceu deixou bastante claro que eles tinham perdido as eleições, não o poder.

Eles contam com uma suprema corte escolhida a dedo para defender os interesses ideológicos da esquerda, qualquer decisão presidencial que tente implementar a agenda que elegeu o Governo será inviabilizada pelo ativismo judicial, enquanto conta com o apoio positivista, com seu slogan idiota de que decisão judicial não se discute, mesmo as completamente ilegais.

Repito, não há necessidade de retirar formalmente o presidente do poder, a Justiça aparelhada já o retirou de fato, ele não possui mais poderes independentes.

Eu não acredito que o STF vai partir para uma tentativa de afastar o presidente na força, eles não precisam disso. Eles irão manter o Governo sem qualquer poder decisório, bloquearão toda e qualquer decisão que seja para implementar a agenda que elegeu o presidente.

Basta manter a atual política de decisões judiciais ilegais, com verniz do Estado de Direito, que eles farão o estrago que desejam, sem precisar arcar com o ônus público da revolta popular.

Eles já esvaziaram totalmente o poder presidencial, o golpe já foi dado, sob os aplausos da turminha sofisticada e prudente.

A tal da normalidade institucional consiste na ideia de transformar a função de presidente em um enfeite formal, sem qualquer poder real.

André Porciuncula

Comentários