São Paulo no limite: Decisão de aumentar a quarentena enterra as esperanças de milhares de paulistas (veja o vídeo)

“São Paulo não pode parar”.

A velha máxima, repetida orgulhosamente pelos paulistas, seus avós e tataravós parece perder hoje completamente seu sentido.

Nas mãos de governadores e prefeitos, estados e cidades do país estão agonizando.

Já não é relevante discutir o que faz um governador e um prefeito esquecer e destruir seu futuro político nas próximas eleições.

Certamente será algo grande.

Too big.

Muitos zeros.

O que importa hoje já não são suas motivações.

O que importa hoje é a sobrevivência do Estado de São Paulo.

O aumento da quarentena forçada a que são submetidos os paulistas - que vai destroçando rapidamente a economia - até o dia 31 de maio é praticamente uma sentença de morte para milhares de pequenos comerciantes, empresas cuja última esperança era reabrir seus negócios na data prometida pelo governador.

E mais: o recrudescimento das medidas de repressão por parte dessas autoridades, como fechamento de vias de tráfego da cidade ou o impedimento forçado da abertura de centenas de estabelecimentos na cidade e no estado vão deteriorando a economia fragilizada dos cidadãos e enterrando suas esperanças.

Com medo, apavorados pela mídia conivente, os cidadãos definham.

O que é bom para o patrão é bom para a grande mídia comprada.

Quem ousa protestar com veemência contra as barbaridades cometidas por governadores e prefeitos de todo o país é intimidado, processado e calado na marra.

Acaba de acontecer comigo e meu canal, como todos sabem.

Respondemos, hoje, à um processo criminal do governador do Estado pelo conteúdo de um de nossos vídeos em que denunciamos o que ocorre em São Paulo.

Não nos calaremos, entretanto.

Censura não é direito de inquilinos de palácios de governo e de ninguém, diz nossa Constituição esquecida por esses pequenos ditadores.

São Paulo, e outros estados brasileiros precisam com urgência de uma intervenção e uma auditoria federal.

É preciso checar a veracidade sobre números de mortos e contaminados pela praga, o superfaturamento de insumos em compras sem licitação, o destino das verbas federais de auxílio e – principalmente - as ações de governadores e prefeitos.

Não se pode simplesmente administrar veneno a um paciente com o pretexto de salvá-lo de uma morte suposta ou calculada por números duvidosos.

É a competência desses dois senhores para administrar São Paulo que hoje a maioria da população coloca em dúvida.

E os caminhoneiros…

Os caminhoneiros, se entrarem na paralisação anunciada, serão o primeiro sintoma grave do caos e da verdadeira doença - a ambição desmedida e imoral de alguns políticos - que atingiu São Paulo como uma bomba.

Se permitida sua proliferação e ação, é essa a praga que vai acabar com o estado, e não o Covid.

Chega rapidamente a hora -inevitável- do presidente eleito estabelecer firmemente sua liderança e deixar claro que quem governa o país é ele.

Jair Bolsonaro tem o povo a seu lado.

Argumentos ‘democráticos’ presumidamente já não servem para nada.

O país já deixou de viver um estado democrático no início da pandemia, se é que o vivia.

Na situação de caos que se avizinha no horizonte, difícil imaginar quem conseguirá conter ou controlar o povo.

Portanto, é hora da decisão.

*Em tempo: Criamos a Vakinha, eu e minha parceira Yara, para que possamos manter nosso compromisso com a liberdade de expressão - de todos nós - precisamos do apoio de todos os nossos amigos.

Lá, todos podem apoiar e ajudar nosso canal a trabalhar.

O que vale é a liberdade de todos nós, hoje ameaçada.

Veja o vídeo:

Marco Angeli Full

https://www.marcoangeli.com.br

Artista plástico, publicitário e diretor de criação.

Comentários