Depoimento de Valeixo desmonta Moro e estratégia de Bolsonaro contra a Rede Globo se revela

O ex-diretor-geral da Polícia Federal disse em seu depoimento ontem, textualmente que desde 2019 "teria comunicado por diversas vezes ao Ministro Sérgio Moro seu desejo de deixar o cargo de Diretor Geral da PF".

Essa afirmação vai ao encontro das alegações do Presidente Bolsonaro e de encontro às acusações do ex-Ministro.

Disse mais! Perguntado diretamente sobre o acesso a relatórios de inteligência respondeu que desconhece: "que não lhe foi solicitada nenhuma informação por parte da Presidência da República sobre investigações ou inquérito em tramitação na Superintendência do Rio de Janeiro".

A partir deste depoimento Bolsonaro derruba a narrativa de Moro.

Tudo o mais, é valoração de versão hipotética fantasiosa destruída pela prova produzida pelo ator principal da geração dos fatos.

Se não tinha investigação em andamento não há interferência sobre nada.

Ou seja, se não tinha inquérito onde pudesse ocorrer interferência, por lógica a interferência é impossível.

O discurso de Moro foi para o lixo e passa a ser uma vergonha histórica de um personagem importante a quem o Brasil deve muito.

Mas, neste episódio, errou e errou feio.

Cada dia mais a minha tese de que Bolsonaro age de forma planejada e estratégica se consolida junto a minha percepção.

O alvo dele no Rio de Janeiro, estou convencido, é tirar da gaveta as investigações sobre o crime organizado, sobre o tráfico de drogas, mas sobretudo investigar supostas ilicitudes que envolvem as raízes das empresas e empresários do Grupo Globo.

E é por isso que as emissoras, jornais e jornalistas destes veículos batem tanto no Presidente.

O cerco está feito, agora é só puxar as tainhas para a praia.

Não demora...

Luiz Carlos Nemetz

Advogado membro do Conselho Gestor da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes, professor, autor de obras na área do direito e literárias e conferencista.
@LCNemetz

Comentários