Defesa de Moro acusa Bolsonaro de ter cópia do vídeo da reunião ministerial. E daí?

Lamentável que com tanto advogado no país, o ex-juiz tenha contratado um falastrão.

A mais recente acusação contra o presidente Jair Bolsonaro beira ao ridículo.

O sujeito acusa o presidente de dispor de uma cópia do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril.

Eis a manifestação do causídico:

“Enquanto a decisão do ministro Celso de Mello foi clara, no sentido de que a gravação da reunião ministerial de 22 de abril deveria ser encaminhada para o exame pericial oficial da Polícia Federal e que as partes deveriam ter acesso a apenas assistir ao vídeo, em ato único de exibição, o presidente demonstrou dispor de cópia e apresentou ao STF degravação extraoficial de trechos do vídeo. Enquanto isso, a defesa de Moro respeita a decisão do ministro, como é esperado e é o normal em uma democracia.”

Ora, o vídeo pertence à Presidência da República.

Quem forneceu a gravação para o inquérito foi o Governo Federal, através da AGU.

Natural que tenha uma cópia.

Qual o problema? Qual o crime?

Fonte: O Antagonista

da Redação

Comentários