Médico defende uso precoce da hidroxicloroquina: "Estamos perdendo vidas desnecessariamente" (veja o vídeo)

“Estamos perdendo vidas desnecessariamente para o pânico, para outras doenças e para a COVID”, alerta o médico Luciano Azevedo.

Em entrevista exclusiva à TV Jornal da Cidade Online, o médico anestesista Luciano Azevedo, que tem atuado na luta contra o vírus chinês, fala sobre os avanços na pesquisa sobre a doença e reitera a importância de a população não entrar em pânico.

“Uma coisa é a infecção viral, e outra coisa é a COVID, que é a doença decorrente da infecção viral. Algo em torno de 90% das pessoas vai ter a infecção viral, e o próprio corpo vai resolver. A doença COVID vai acometer de 10% a 14% das pessoas. A maior parte das pessoas que desenvolverem a COVID, elas vão ter de sintomas de leve a moderado, sintoma gripal, perda de olfato, perda de paladar, dor de cabeça, cansaço, diarreia ou perda de apetite. De 3% a 5% terá sintomas graves da COVID-19, que é uma doença muito mais complexa”, explicou o médico.

De acordo com o Luciano Azevedo, a cautela no primeiro momento era para entender a melhor fase e a melhor forma de tratar a doença, e ter medicação efetiva para essa pequena parcela da população que fosse desenvolver sintomas.

“Hoje já temos ferramentas que se mostram muito efetivas. A geração do pânico, o medo que as pessoas estão desenvolvendo umas das outras, estamos vendo coisas absurdas acontecendo nas ruas, autoridades prendendo pessoas que estão caminhando ou abrindo suas lojas... não precisamos ter pânico, e sim planejamento. Tratar precocemente diminui a chance de evolução grave da doença”, enfatizou.

Azevedo destaca que já existem evidências mais do que substanciosas de que a hidroxicloroquina com a azitromicina e o zinco funcionam muito bem, desde que aplicados no momento adequado, ou seja, bem no início da doença COVID-19.

“O que vem acontecendo é algo muito triste. A mídia e a grande imprensa têm uma celeridade brutal de replicar trabalhos científicos que falam contra o uso da hidroxicloroquina no primeiro momento. Eles se esquecem de publicar, quando falam da falta de sucesso, é que eles usam esses trabalhos que começam a tratar com hidroxicloroquina pacientes com quadros agravados, internados, hospitalizados, isso está escrito no próprio trabalho científico. O momento para entrar com hidroxicloroquina e azitromicina é no início da doença”, ressaltou o médico.

Assista a entrevista completa:

***

Dr. Luciano Azevedo foi um dos especialistas que assinou a carta aberta ao presidente Jair Bolsonaro em defesa do uso precoce da hidroxicloroquina em pacientes com COVID-19. Confira o conteúdo da carta:

https://brasilsemmedo.com/carta-aberta-ao-presidente-da-republica/

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários