Após 30 anos, Collor admite erro no confisco da poupança e pede perdão

Dizem que nunca é tarde para pedir perdão. Será?

Nesta segunda-feira, 18 de maio de 2020, com três décadas de atraso, o ex-presidente Fernando Collor de Mello, finalmente pediu perdão pela tão criticada medida de confiscar o dinheiro da poupança dos brasileiros.

Collor fez o pedido em suas redes sociais.

“Pessoal, entendo que é chegado o momento de falar aqui, com ainda mais clareza, de um assunto delicado e importante: o bloqueio dos ativos no começo do meu governo. [...] Acreditei que aquelas medidas radicais eram o caminho certo. Infelizmente errei. Gostaria de pedir perdão a todas aquelas pessoas que foram prejudicadas pelo bloqueio dos ativos”, escreveu o ex-presidente.

Ainda persistem duas grande incógnitas.

Primeira: Foi realmente um erro? Ou tudo não passou de mais uma roubalheira política premeditada?
Segunda: Demorou incríveis 30 anos para perceber que estava errado?

Confira a série de publicações de Fernando Collor de Mello:

da Redação

O jornalismo em que você confia depende de você. Colabore com a independência do Jornal da Cidade Online doando qualquer valor. Acesse: apoia.se/jornaldacidadeonline

Comentários