O recuo do decano e a confissão da suspeição

Em nota de sua assessoria, o ministro Celso de Mello parece ter recuado no ‘formato’ das agressões dirigidas ao presidente da República, Jair Bolsonaro.

Ao contrário do que foi divulgado pela mídia, o decano agora diz que a mensagem comparando o momento do Brasil à ascensão nazista foi pessoal e não enviada a colegas:

"Não é uma nota oficial, portanto sem vinculação com o STF; Não foi enviado a ministros do STF. Trata-se de manifestação exclusivamente pessoal".

Assim, se é pessoal, Celso de Mello é confessadamente suspeito para atuar em qualquer ação que envolva o presidente Bolsonaro.

No mínimo, deve ser afastado imediatamente.

Gonçalo Mendes Neto

Comentários