Tempos de dor, de loucura e de morte

Lenin dizia que, quando você tirou do adversário a vontade de lutar, já venceu a briga. Mas, nas modernas condições de “guerra assimétrica”, controlar a opinião pública tornou-se mais decisivo do que alcançar vitórias no campo militar. Maquiadores do crime, Olavo de Carvalho)

A cruz de cristo, símbolo de amor e perdão, se tornou a representação do ódio e da intolerância. Conservadorismo virou sinônimo de fascismo. Liberdade garantida, sim, contanto que tanto o pensar e o agir obedeçam a cartilha socialista. O Brasil, gigante pela própria natureza, ao menos assim diz o hino, está ajoelhado e amordaçado. Com tinta preta e vermelha se escreve a cada dia uma nova história, onde cristãos e conservadores não terão mais parte.

A culpa é nossa. Despertamos tarde para a realidade. Fomos fracos e nossa fraqueza permitiu que a esquerda tomasse conta do estado, o aparelhasse e hoje, nos perseguisse. Bruno Garschagen, no livro Pare de Acreditar no Governo, já afirmava:

“Ao nos colocarmos na posição de agentes não responsáveis pelos políticos que existem e foram eleitos, e pela existência e funcionamento das instituições, renunciamos ao papel de atores fundamentais para o florescimento do país.”

Falar demais e agir de menos. A sabedoria do meu avô nunca foi tão verdadeira como agora. Antes de ir para as ruas, devíamos ter nos tornado homens e mulheres de valor, pais responsáveis, filhos honrados, estudantes sábios. Fomos buscar na política a mudança que estava na educação, na cultura. A transformação mais poderosa é aquela que começa dentro de nós, mas a ignoramos.

Jordan Peterson, no seu livro doze regras para a vida, adverte:

“Não culpe o capitalismo, a esquerda radical ou a iniquidade de seus inimigos. Não reorganize o estado até que você tenha ordenado sua própria experiência. Tenha um pouco de humildade. Se você não pode levar paz para sua casa, como ousa tentar governar uma cidade?”

Em um dos meus primeiros artigos, afirmei: “A direita inteligentinha e reacionária quer tudo resolvido através do palco político. Quer soluções imediatistas e revolucionárias, mas não deseja sair do alto do seu sofá, conforto e pompa para ser o real agente de transformação social. A mudança vem através da cultura, não da economia e com certeza não da politica. As artes, os centros de formação intelectual (universidades, escolas), a mídia são sumariamente esquerdistas, portanto achar que dentro das esferas onde esta ideologia é quase hegemônica virá alguma mudança é ingenuidade, no mínimo .

Os políticos, advogados, jornalistas que lutam para que o marxismo continue ascendendo foram formados por décadas dentro destes centros que seguem com seu importante papel de construtores de mentes medíocres, reducionistas, simplistas e cegas para qualquer dado científico, estatístico ou observação lógica que vá de contra a verdade absoluta que aprenderam. Os jovens estudantes aprendem a dialogar com o futuro enquanto ignoram as lições do passado, são ensinados a ignorar a razão e a lógica e a acreditarem no sentimentalismo de discursos falaciosos. ( grifo nosso)

Agora, devemos dar um basta em nossa covardia. Levantemo-nos como os reais protagonistas de nossa história. Sejamos os escritores de um futuro onde possamos existir sem medo de sermos perseguidos, presos e humilhados.

O socialismo sempre culminará em uma ditadura e, consequentemente, no fim da liberdade. Reconheçamos que lutamos contra uma ideologia genocida. Sejamos fortes, audazes e inteligentes. A perseguição que está sendo instaurada vem da esquerda, articulada e promovida por esta, portanto, irá blindar todo ato de ódio, violência e insensatez que seus seguidores realizarem, enquanto tornará crime hediondo todo ato de defesa e busca por justiça vindo de conservadores e cristãos.

Não há mais harmonia entre os três poderes, estado democrático... Paremos de acreditar nas mentiras de liberais, movimentos oportunistas e da mídia que justificam e legitimam atos que, de fato, estupram a democracia.

O poder emana de nós. Lutemos por um governo do povo, para o povo e pelo povo antes que nossa voz seja em definitivo silenciada e até mesmo a chama de nossa existência apagada.

Não fui eu que lhe ordenei? Seja forte e corajoso! Não se apavore, nem se desanime, pois o Senhor, o seu Deus, estará com você por onde você andar. Josué 1:9

Carlos Alberto Chaves Pessoa Júnior

Professor. É formado em Letras pela UFPE.

Comentários