Ação na Justiça Eleitoral para cassar chapa de Bolsonaro não tem provas, afirma advogada do presidente (Veja o vídeo)

Em entrevista exclusiva à TV Jornal da Cidade Online, Karina Kufa, advogada de Jair Bolsonaro, fala sobre o desafio de defender o presidente da República.

“O desafio maior é do dia a dia, de proteger o presidente, que está buscando somente governar, fazer o melhor para o país”, ressaltou.

Resultado das eleições 2018 em risco

Ela comentou ainda que a ação na Justiça Eleitoral, que questiona a legitimidade da chapa Bolsonaro e Mourão, é baseada somente em matérias da grande mídia:

“O mais preocupante é que nas eleições de 2018, apareceram duas jurisprudências novas, mudando a questão das matérias jornalísticas, trazendo mais credibilidade a tudo que é falado na imprensa, independente de prova. Lembrando que a principal ação que está na Justiça Eleitoral, questionando a legitimidade das eleições, e pedindo a cassação do presidente e do vice Mourão, foi respaldada unicamente em matéria jornalística, que não trouxe nenhuma prova até o presente momento”, frisou.

Ação ordenada dos opositores em várias frentes

Para a advogada, é preocupante também notar que está acontecendo uma operação ordenada de ações, judiciais ou não, por parte dos opositores.

“Começaram com ações judiciais eleitorais no TSE, respaldadas simplesmente em matérias jornalísticas. Não é o que eu estou dizendo e sim o que Ministério Público, representado pela Procuradora Geral Eleitoral, afirmou em seu parecer. Quando os opositores verificaram que a ação não tinha a menor forma de prosperar, eles abriram a CPMI das Fake News. Tentaram conduzir uma CPMI para buscar eventuais provas, que não tem nem pé, nem cabeça”, afirmou Karina.

Haddad e as fake news

A advogada lembra que o então candidato Bolsonaro não foi multado por produção de fake news durante a campanha eleitoral. Já as acusações que foram feitas em relação aos seus opositores eram verdadeiras.

“O candidato Haddad teve uma condenação em relação a um site que foi produzido, chamado ‘A verdade sobre Bolsonaro’. Pedimos a aplicação de multa, pelas notícias falsas que estavam no site. A defesa do candidato Haddad disse que o site não era dele. Quando foi pedida a investigação do que foi investido no site, descobriram que quem fez o investimento financeiro foi o CNPJ da campanha do candidato do PT, Haddad, aí foi aplicada a multa”, ressaltou Karina.

Assista o vídeo:

da Redação

Comentários