Capitão de Polícia negro de 77 anos é assassinado por manifestantes nos EUA

David Dorn, um capitão de polícia aposentado, foi assassinado na rua, em St. Louis, por saqueadores que participavam da noite de protestos por causa da morte de George Floyd; também conhecido como Big Floyd, devido ao seu porte físico, ocorrida em 25 de Maio, num hospital de Minneapolis, no Estado de Minnessota, após uma abordagem policial a qual reagiu e acabou imobilizado por quatro policiais, tendo um ficado sobre seu pescoço e outros sobre suas costas.

Dorn tinha 77 (setenta e sete) anos e estava aposentado desde 2007, após 38 (trinta e oito) anos de serviços prestados à polícia de St. Louis. Segundo o jornal americano The Washington Times, Dorn foi baleado e roubado pelos saqueadores que participaram das manifestações durante uma noite de muita violência, que contou com organizações como os 'ANTIFAS' e o 'Black Lives Matters'. Ainda segundo esse jornal, a cena foi transmitida ao vivo, através do Facebook, mas o vídeo acabou sendo removido.

O site St. Louis Today noticiou que nessa mesma noite quatro policiais foram baleados por manifestantes. Em uma coletiva para a imprensa, o Chefe de Polícia Jhon Hayd disse que os policiais não foram atingidos em pontos vitais e estão fora de perigo. Dois oficiais foram baleados numa das pernas, outro num dos pés e o último num dos braços.

Não há informações se algum deles é negro, como era o Capitão David Dorn. O The Washington Times informou que ninguém foi ainda preso pelo assassinato de Dorn durante manifestações cujo slogan é "Vidas Negras Importam". Um homem foi preso, suspeito do atentado contra os quatro oficiais.

O Presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, lamentou o assassinato de Dorn e externou seu sentimento através de sua conta no Twitter.

Confira:

Até o fechamento desta matéria, nenhum membro do ANTIFAS, nem do Black Lives Matters, manifestou indignação sobre o caso.

Roberto Lacerda Barricelli - (Jornalista e Historiador)

da Redação

Comentários