A nova revelação da OMS demonstra que isolamento vertical teria sido mais eficaz?

Ontem a Organização Mundial de Saúde (OMS) voltou a surpreender o mundo. A entidade conseguiu se superar.

Maria Van Kerkhove, diretora do programa de emergências sanitárias da OMS, em entrevista à Organização das Nações Unidas (ONU), disse que pacientes infectados com o Covid-19, que não apresentam sintomas, não estão a contribuir com a propagação do vírus.

Assim, num lapso de tempo de 3 dias, é a segunda declaração da entidade que contradiz o que vinha sendo alardeado, com base na 'ciência'.

Na sexta-feira (5), a OMS já havia pedido desculpas pelo enorme imbróglio criado em razão de seu posicionamento controverso em relação a hidroxicloroquina no tratamento de pessoas infectadas com o coronavírus.

Diante disso, a conclusão é óbvia. A OMS está absolutamente perdida.

Por outro lado, se pacientes assintomáticos não contribuem para a propagação do vírus, não havia nenhuma necessidade do isolamento horizontal.

Nesse sentido, o próprio presidente Jair Bolsonaro, que desde o princípio defende o uso precoce da hidroxicloroquina no tratamento da doença e o isolamento vertical, fez uma importante publicação nas redes sociais, logo após tomar conhecimento da nova declaração da OMS.

Eis o que disse o presidente:

“Após pedirem desculpas pela Hidroxicloroquina, agora a OMS conclui que pacientes assintomáticos (a grande maioria) não têm potencial de infectar outras pessoas. Milhões ficaram trancados em casa, perderam seus empregos e afetaram negativamente a Economia.”

De fato, a conclusão do presidente parece correta.

Confira:

Gonçalo Mendes Neto. Jornalista.

Comentários