Um novo aliado para o tratamento do Câncer, a Imunoterapia

Um tratamento considerado novo no meio da oncologia a imunoterapia veio para agregar no tratamento de câncer há quatro anos, principalmente em pacientes que não podem realizar radioterapia ou cirurgias tumorais devido a localização ou ao estado clinico.

Dois cientistas, o americano James P. Allison e o japonês Tasuku Honjo, ganharam o premio nobel de medicina em 2018 por sua descoberta de um tipo de terapia que faz com que células de defesa do organismo voltem a atacar tumores.

Os dois desenvolveram separadamente pesquisas sobre duas proteínas produzidas por tumores – a CTLA-4 e a PD-1 – que paralisam o sistema imune do paciente durante o tratamento de câncer.

Os tumores produzem proteínas, chamadas de ‘checkpoints’, que bloqueiam o linfócito T, a célula mais importante do sistema imune que ataca o tumor.

Essas drogas retiram o bloqueio e recuperam o poder de ataque dos linfócitos que estavam paralisados por essas proteínas.

Após vários estudos e aprimoramentos a estratégia se mostrou promissora contra o câncer.

Em 2012, um estudo demonstrou sua eficácia no tratamento de indivíduos com diferentes tipos de tumor, inclusive em pacientes com câncer já em metástase.

A chegada da imunoterapia trouxe novas e importantes esperanças para certos pacientes que sofrem de câncer, particularmente o melanoma e os cânceres de pulmão.

Graças a essas moléculas que reativam o sistema imunológico contra as células cancerosas, a sobrevida dos pacientes melhorou consideravelmente. Isso porque transformou uma doença mortal em curto prazo em uma doença crônica com a qual podemos viver muitos anos.

No Congresso Mundial de Oncologia de Chicago (Asco), realizado de 1º a 5 de junho de 2018, foram apresentados numerosos estudos que demonstram a superioridade desses tratamentos por meios imunológicos face à quimioterapia convencional.

A saúde vem se renovando cada vez mais, assim trazendo qualidade de vida e conforto aos pacientes e familiares, a luta contra o câncer hoje em dia está mais hábil ao sucesso no tratamento.

Ednei Silva

Professor, jornalista e escritor.

Comentários