As amantes dos ex-presidentes

A prática do adultério sempre andou ao lado do poder. Principalmente tratando-se de um presidente da República.


Assim foi, por exemplo, com Bill Clinton, nos Estados Unidos, Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva, no Brasil.

A fidelidade parece não combinar com o homem e o poder.

São infiéis inclusive com os eleitores, traindo compromissos assumidos, sonhos e a esperança de toda uma nação.

A coincidência entre Lula e FHC é que ambos foram vítimas de uma ‘Miriam’.

Em 1989, Miriam Cordeiro, ex-namorada do petista, provavelmente por dinheiro, revelou ao país que houvera sido abandonada no sexto mês de gestação e, num golpe baixo, revelou que Lula a tinha pressionado a abortar. O fato custou a eleição. Foi determinante para vitória de Fernando Collor.

Agora, em 2016, Miriam Dutra, ex-namorada de FHC, uma mulher esclarecida, inteligente, ex-repórter da Globo, 25 anos após o término da relação, abre o verbo contra FHC e revela que durante o namoro fez dois abortos que foram pagos por FHC. Numa terceira gravidez, resolveu ter a criança e a sustentou com um contrato de trabalho fantasma arranjado pelo ex-presidente. Por que uma mulher inteligente se despe de sua autoestima?

Ninguém é santo... A própria infidelidade é clara demonstração do desvio de conduta.

De qualquer forma, o sentimento de vingança das ex-amantes é notório, a ponto de se humilharem e traírem os próprios filhos.

Tal atitude demonstra que em muitos casos, as amantes são as grandes e verdadeiras vilãs.

Amanda Acosta

redação@jornaldacidadeonline.com.br

                                                    https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online.

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Opinião