assinante_desktop_cabecalho

“O impeachment de Witzel é quase inevitável”, diz coordenador do Movimento Conservador (Veja o vídeo)

Ler na área do assinante

O estado do Rio de Janeiro já teve cinco governadores presos: Moreira Franco, Sérgio Cabral, Luiz Fernando Pezão, Rosinha Garotinho e Anthony Garotinho. Os cariocas estão se perguntando se Wilson Witzel terá o mesmo destino. Acusado de corrupção no setor da saúde, aproveitando-se da pandemia do vírus chinês, Witzel está enfrentando um processo de impeachment. Para Valdinei Martins, do Movimento Conservador, a queda de Witzel é quase inevitável.

“Pela quantidade de escândalos e absurdos desse governo, o impeachment é quase certo. Essa gestão Wilson Witzel não é uma gestão de governo, é uma gestão que se apoderou do estado do Rio de Janeiro com o objetivo cada vez mais claro de enriquecer empresas, de fortalecer esquemas históricos que vem aí desde a família Garotinho, tomando conta dos contratos, algo que nunca foi tão grande e tão bem estruturado quanto hoje nessa gestão Wilson Witzel”, explica Martins.

Um governo marcado por escândalos e dossiês

O ex-secretário de Desenvolvimento Econômico de Witzel, Lucas Tristão, teria dito a deputados que existe um dossiê contra cada um dos parlamentares. A denúncia, realizada no início do mês de junho, teria antecipado a abertura do processo de impeachment na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

“Se não sair o impeachment do Wilson, provavelmente a fala do Lucas é verdadeira e os deputados estão com medo desse dossiê, né?”, questiona o coordenador do Movimento Conservador.

Assista o vídeo:

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar