STF proíbe operações policiais em comunidades e tráfico anuncia “taxa de segurança” a moradores de São Gonçalo

Decisão recente do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal proibiu operações policiais nas comunidades do Rio de Janeiro.

Um incompreensível absurdo.

Os bandidos certamente vão continuar agindo. Não vão dar trégua em função da pandemia. É este o raciocínio lógico.

A liminar concedida por Fachin atendeu a uma ação impetrada pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB).

Fica o questionamento: A quem o PSB quer proteger?

Certamente não é a população, as pessoas de bem.

Pois bem, com o fim das operações policiais, em plena pandemia, o tráfico acaba de impor mais uma despesa para os moradores do bairro Laranjal, em São Gonçalo.

Numa carta, traficantes anunciaram o início da cobrança de uma “taxa de segurança” na região.

A 'ordem', impressa em folhas de papel e colocada em caixas de correio pelo bairro, é assinado pela facção criminosa que domina a localidade. A ‘brilhante’ ideia provavelmente vai se estender para outras comunidades.

Segundo o aviso, a partir do próximo dia 20, cada morador do bairro será obrigado a pagar R$ 50 mensais. O valor cobrado de comerciantes é maior: R$ 300 por semana.

É valor que pesa e muito no orçamento das pessoas que residem em comunidades carentes.

O problema é que quem não pagar, certamente não terá a ‘segurança’ oferecida pelo tráfico.

Fonte: O Globo

da Redação

Comentários