Um alerta aos brasileiros de bem

O Plenário do STF validou nesta quinta-feira (18) o inquérito inconstitucional de apuração de "fake news e ameaças a membros do Tribunal", transformando, sob o aspecto formal, algo que é ilegal no mundo jurídico em legal.

Não vivemos mais em uma democracia.

Os aplicadores da lei não têm mais qualquer senso de proporção; sob a desculpa de “a lei vale para todos”, pretendem transformar cidadãos comuns em bandidos da pior estirpe.

Portanto, sinto-me na obrigação de fazer uma advertência e apelo a todos aqui, especialmente aos ativistas políticos e influenciadores. A partir de agora, tomem muita precaução nas suas atividades; tomem cuidado redobrado, pois as ações do STF vão se intensificar, concretizando-se em medidas abusivas contra nós, cidadãos. E essas medidas podem até mesmo desaguar na privação da liberdade.

Continuemos lutando, obviamente; agora mais do que nunca. Isso tudo vai passar, pois nada mais é do que a tentativa desesperada de o velho sistema calar a nossa voz, para trazer de volta o modelo de “República Harmônica” que houve nos últimos 24 anos, quando o país foi governado pelo PT e PSDB.

Mas todos têm que saber que de nada adianta ir para um tiroteio achando que tem “peito de aço”, e que o tiro não vai machucar. Não leve isso que estou escrevendo na brincadeira. Não ache que a perseguição do STF não vai atingi-lo. Eu, como advogado que já trabalhou em alguns casos criminais, sei o que é o sistema prisional: ele destrói qualquer um, ele aniquila e “mata” as pessoas que lá estão pouco a pouco, bem como a sua família.

Esses caras do STF não estão blefando. Alexandre de Moraes não tem “pena” de cidadãos comuns, e não tem razoabilidade – especialmente agora que o STF inteiro declarou que o inquérito é constitucional, ele (Moraes) vai se sentir motivado a mostrar que não está para brincadeira.

Pensem: quantos são os cidadãos comuns que já estão presos por causa desse inquérito demoníaco do STF? Quantos são os que já perderam computadores e telefones celulares, levando prejuízo financeiro por conta de medidas arbitrárias?

Vivemos em um estado de exceção, controlado pelo autoritarismo judicial da Suprema Corte. Não desdenhem disso; nunca duvidem do poder de um totalitarismo.

Sigamos em frente, mas nunca baixemos a guarda.

Comentários