Todo poder reside no povo: "Até quando sofreremos nas mãos dos maus?"

Não sou ninguém em especial.

Sou apenas mais um brasileiro, um entre mais de 200 milhões.

Dizem que não desisto nunca, e é verdade, mas devo confessar e repetir,

Não sou ninguém em especial.

Não foi me dado a oratória,

Não me foi dado e palavra e a sabedoria,

Muito menos a força ou o poder,

Me foi dado ao nascer nesta terra, apenas o dom de sofrer,

A habilidade de sentir a dor doer.

E como dói,

E como faz doer,

E como faz sofrer.

Dói tanto,

Dói demais,

Além da capacidade, do dom e da habilidade,

De suportar a dor e o sofrer.

E por que sofro?

E o que dói?

Se não ver a justiça falhar e o mal vencer?

Ver libertar-se o condenado, e o inocente encarcerado ser?

Como disse o salmista, parece até que Deus se esqueceu de mim:

“ATÉ quando te esquecerás de mim, SENHOR? Para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto?
Até quando consultarei com a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando se exaltará sobre mim o meu inimigo?
Atende-me, ouve-me, ó SENHOR meu Deus; ilumina os meus olhos para que eu não adormeça na morte”

Mas quando atribuo à Deus meus dissabores e minhas dores,

Ele mesmo me faz lembrar,

que Ele não fará nada que eu possa fazer, em meu lugar.

Mas, de tanto doer, depois de tanto sofrer,

Foi que comecei a compreender o dom que Deus me deu.

Não era dom de sofrer, nem dom de doer,

Sofrer e doer são apenas manifestações,

Resultados e consequências do dom,

Sofrer e doer é o caminho para o verdadeiro dom.

Deus me deu a voz, Deus me deu o dom,

O dom é de suportar, mas também o é um dom de rejeitar,

É o dom de lutar, o dom de superar.

O dom de vencer.

Até quando sofreremos nas mãos dos maus?

Até quando suportaremos a ação e o abuso dos que nos oprimem e nos humilham?

O que eles querem de nós?

Enfiam uma máscara em nossa cara,

Não para nos proteger do vírus chinês,

Mas para calar nossa voz,

Aos poucos, talvez,

Ou quem sabe, de vez.

Repito a questão:

Até quando sofreremos na mão dos maus?

Até quando suportaremos a ação e o abuso dos que nos oprimem e nos humilham?

Em verdade, em verdade vos digo que o todo poder emana do povo,

E não é porque isso está escrito, nem é do jeito que escreveram na Constituição.

O poder emana do povo, porque em verdade,

O povo é o poder.

O povo não tem o poder, isso seria muito simples, simplório e reducionista demais.

É bem mais complexo, e é por isso que eles querem nos calar, nos segregar, nos classificar, nos manietar.

O poder não emana do povo, da forma como querem nos fazer crer,

Não, entenda por favor meu caro leitor do Jornal da Cidade Online.

Emanar é sinonimo de exalar, evaporar, exsurgir, desprender, espalhar, dissipar;

o que emana é aquilo que sai de algo ou de alguém.

Não!

O poder não emana do povo.

TODO O PODER RESIDE NO POVO.

O poder não reside na Câmara dos Deputados, nem no Supremo Tribunal Federal, no Senado ou mesmo no Palácio do Governo Federal, no Planalto Central.

Assim como o Espírito Santo,

O poder reside no povo, em cada indivíduo, em mim e em você.

Sem mim, sem você... Sabe o que eles são?

O profeta Isaías já respondeu há muito tempo atrás:

“Todas as nações são como nada perante ele; ele as considera menos do que nada e como uma coisa vã.”

Os Alcolumbres? Os Renans? Os Maias? Os Celsos? Os Marinhos? Os Alexandres? Sejam os Magnos ou ou latoeiros, eles vão passar, no fim das contas, todos passam.

Eles são nada, eles são menos que nada, eles são coisa nenhuma.

Eles não são.

Nós, o povo, nós somos. Nós somos os Supremos.

Supremo é você.

Denílson Faleiro de Souza. Advogado.

Comentários