Uma constatação: O sentimento de tranquilidade e otimismo que o Presidente tenta transmitir ao povo

Temos um Presidente da República que, desde que isso tudo desencadeado pela pandemia do vírus chinês começou, tenta transmitir ao seu povo um sentimento de tranquilidade e otimismo - como, aliás, um Chefe de Estado tem que fazer em momentos de crise e calamidades.

Agora, mais do que nunca, quando vê-se ele mesmo infectado com o maldito vírus, escancara para a Nação, ao vivo e a cores, essa tranquilidade e otimismo, ao mostrar, pelo seu exemplo, como o problema deve ser enfrentado: com serenidade e com calma, e com o uso da medicação adequada.

O Presidente da República apresenta para o país inteiro a forma correta de tratamento que todos os seus antagonistas nos Executivos Estaduais/Municipais, no Legislativo Federal, e ainda no STF, que criminosamente (todos eles, sem exceção) politizaram um problema de saúde, recusaram e rejeitaram, privando o povo que foi contaminado de receber o medicamento por ele desejado, e impedindo-o [o Presidente da República] de agir.

Quando tudo isso passar, Jair Bolsonaro seguirá firme e forte rumo à sua segunda metade de mandato, com a manutenção do forte apoio do povo, que mesmo contra tudo e contra todos não se desmobilizou na sua militância política nem durante a crise da pandemia.

O povo não é idiota, não é estúpido, não se permite ser enganado; e por isso mesmo consegue perceber facilmente o que aconteceu desde o início de tudo, e saberá agir como tem que agir, no momento certo das eleições.

Já os "haters" de Jair Bolsonaro, que tentam achar problema até mesmo no fato de o Presidente da República retirar a máscara durante a entrevista onde divulgou o teste positivo para covid19, ou usar o coquetel de remédios hidroxicloroquina/azitromicina/etc. para combater o vírus, serão consumidos pelo ressentimento e pelo ódio cego, que os levará ao fracasso pessoal e profissional.

_

Imagem publicada no perfil do Presidente da República nas suas redes sociais em 8/7/2020, com o seguinte texto, reproduzido "in totum" abaixo:

"- Todas as medidas de isolamento adotadas por governadores e prefeitos sempre visaram retardar o contágio enquanto os hospitais se preparavam para receber respiradores e leitos UTIs.
- O nosso Governo atendeu a todos com recursos e meios necessários. Mais ainda, criamos meios para preservar empregos e auxiliamos com 5 parcelas de R$ 600,00 um universo de 60 milhões de informais/"invisíveis."
- Nenhum país do mundo fez como o Brasil. Preservamos vidas e empregos sem propagar o pânico, que também leva a depressão e mortes. Sempre disse que o combate ao vírus não poderia ter um efeito colateral pior que o próprio vírus.
- Aos que torcem contra a Hidroxicloroquina, mas não apresentam alternativas, lamento informar que estou muito bem com seu uso e, com a graça de Deus, viverei ainda por muito tempo."

Comentários