Ministro da Defesa e Comandantes das 3 Forças, em nota conjunta, repudiam declaração de Gilmar (leia na íntegra)

Com a repercussão negativa da declaração do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, na qual ele afirma que há um vazio de comando no Ministério da Saúde e que se o objetivo de manter à frente da pasta o general Eduardo Pazuello é reduzir o desgaste do governo federal na crise, “o Exército está se associando a esse genocídio”, o Ministério da Defesa junto com as Forças Armadas - Exército, Marinha e Aeronáutica - emitiram contundente nota de repúdio.

A fala do ministro foi extremamente mal recebida pelos militares.

O clima é extremamente tenso.

Leia na íntegra:

“O Ministro da Defesa e os Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica repudiam veementemente a acusação apresentada pelo senhor Gilmar Mendes, contra o Exército Brasileiro, durante evento realizado no dia 11 de julho, quando afirmou: “É preciso dizer isso de maneira muito clara: o Exército está se associando a esse genocídio, não é razoável”.
Comentários dessa natureza, completamente afastados dos fatos, causam indignação. Trata-se de uma acusação grave, além de infundada, irresponsável e sobretudo leviana. O ataque gratuito a instituições de Estado não fortalece a democracia.
Genocídio é definido por lei como “a intenção de destruir, no todo ou em parte, grupo nacional, étnico, racial ou religioso” (Lei nº 2.889/1956). Trata-se de um crime gravíssimo, tanto no âmbito nacional, como na justiça internacional, o que, naturalmente, é de pleno conhecimento de um jurista.
Na atual pandemia, as Forças Armadas, incluindo a Marinha, o Exército e a Força Aérea, estão completamente empenhadas justamente em preservar vidas.
Informamos que o MD encaminhará representação ao Procurador-Geral da República (PGR) para a adoção das medidas cabíveis.”

Confira:

da Redação

Comentários