assinante_desktop_cabecalho

“CORONA MONEY”: quem está “surfando a onda” da Pandemia (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

Você acredita que a Pandemia foi fabricada? Não me refiro ao vírus e sim, à forma como ele foi tratado... e continuará sendo.

Bem, uma coisa é certa: temos que separar “o joio do trigo”, do conjunto de “politizações” que assistimos desde o dia 11/03/20 quando foi declarada oficialmente pela OMS, a Pandemia. Me refiro ao que foi sendo “construído na calada da noite” por interesses econômicos enquanto nós debatíamos em “narrativas” e perdíamos tempo em embates políticos, completamente afastados dos interesses que agora, aos poucos, vão surgindo no horizonte e se tornando claros... assustadoramente claros.

A SOCIEDADE DO DISTANCIAMENTO (e a low Touch Economy)

Agora sabemos que de outras vezes em que tivemos pandemias parecidas, em nenhuma delas, houve tanta insistência para a instalação de “Lockdown” e o clima de terror que se estabeleceu, que foi “fabricado” pela mídia e os “pseudos especialistas” digamos, oportunistas em busca de seus “minutos de fama”: mas tinha e tem muito mais por trás disso. Tinha gente ganhando dinheiro “grosso” e gente sendo paga para propagar o “medo”, me refiro às “plataformas ligadas ao Corona Money”, muito bem articuladas e regiamente remuneradas.

Decorridos mais de 4 meses de Pandemia, com todo tipo de isolamento: Horizontal; Vertical; Lateral; Perimetral; “inteligentes” (na verdade “burros” e ditatoriais) onde, ao que tudo indica, nada interferiu na propagação do contagio, como alias, sempre aconteceu em outras pandemias similares (lembrando como falei em outro artigo: o Corona teve origem em 1936 e de lá até aqui, já passamos por 36 diferentes “cepas” desse vírus, que é mutante como o “influenza” (o da Gripe). O vírus sofre mutações, mas todo o processo de contágio e propagação sempre obedeceu a padrões similares.

Está absolutamente claro: o “fique em casa” foi uma estratégia muito bem sucedida para alavancar fortunas, transferir renda, destruir economias e... matar gente, desgraçadamente. Como diriam os “estrategistas do medo”: “os fins justificam os meios”.

E agora, dando continuidade à essa bem sucedida estratégia, já dizem: “vem aí novas ondas de contágios”; “podem ocorrer novas mutações do vírus” e enfim, o medo cuidadosamente e meticulosamente construído, continuará sendo “mantido/preservado” e a nos rondar por mais alguns anos (?) ou para sempre (?).

Você consegue imaginar o que está por trás dessa insistência em nos “manter em casa” ou nos manter “afastados uns dos outros”, naquilo que já está sendo chamada de “Low Touch Economy”, ou a economia do distanciamento? Poderia fazer uma análise muito mais densa, uma vez que são muitas as implicações do que estou falando, porem isso tornaria este artigo longo demais. Assim, vou dar uma visão superficial que já permitirá que possam tirar suas próprias conclusões e expandir suas próprias pesquisas.

Vem comigo...quero lhes mostrar algumas coisas.

QUEM ESTÁ GANHANDO COM O “NEGÓCIO” CORONA?

Um estudo da Forbes diz que os 600 mais ricos dos EUA já elevaram suas fortunas este ano, até o fim de maio/20 em algo como U$434 Bilhões. Só o Jef Bezos, da Amazon, teve um aumento da sua Fortuna de U$34 Bilhões (U$13 Bilhões em apenas um dia), chegando a um Patrimônio de U$171 Bilhões, que continua a crescer de forma acelerada.

Embora tenhamos aí, muita gente aumentando suas fortunas em muitos Bilhões, como o próprio George Soros, dono do Gilead que produz o Remdesivir, por exemplo, que está no centro de graves denúncias e polêmicas.

E temos outros como Mark Zuckerberg dono do Facebook (e também do Instagram, do WhatsApp e do Youtube) que só no último trimestre aumentou em 60% o valor de suas ações na Nasdaq (ou seja o Facebook passou a valer U$669 Bilhões e continua crescendo), o que fez com que sua fortuna pessoal aumentasse U$20 bilhões em apenas um mês.

Poderíamos citar os donos do Google: Larry Page (U$69 Bilhões) e Sergey Brin (U$66 Bilhões); o Magnata do mercado Acionário Warren Buffett (U$70 Bilhões); Bill Gates (U$114 Bilhões) e inúmeros outros que fazem parte do seleto grupo que mesmo já bilionários, antes da crise, veem crescer exponencialmente suas fortunas em meio à Pandemia.

Apenas para não me alongar, vou me ater a uma análise do Homem mais rico do Planeta, o Jef Bezos, dono da Amazon, que já está avaliada em mais de U$1.5 Trilhão de Dólares (e que inclui dois fundos, o da própria Amazon e o Bezos Expeditions):

Uma perguntinha básica: vocês sabem como a Amazon e o Jef Bezos geram a maior parte dos seus lucros?

Certamente, se vocês não sabem... vão errar.

Possivelmente responderam que seria com a própria AMAZON, plataforma que vende praticamente de tudo de A a Z de Livros, onde tudo começou até eletrônicos. Algo similar ao que seu concorrente Chinês, a Plataforma Alibaba, cujo Bilionário Jack Ma já apresentam patrimônio pessoal de U$48 Bilhões, o que não é nada mal para quem não faz muito tempo vivia com renda de U$ 12 dólares e não milhões ou bilhões, como professor de inglês.

É claro que a Amazon tem o seu Fundo que participa de inúmeras Empresas de Sucesso, como podemos ver na ilustração acima. Nessa lista bem interessantes, vou me ater a apenas três:

  • A WHOLE FOODS delivery de alimentação que está crescendo estratosfericamente com a Pandemia e obvio, pelo distanciamento social (a economia do distanciamento).
  • O Twitter ...sim, ele também investe no Twitter com o fundo Bezos Expeditions. Esse tipo de plataforma parece ter sido feito para modelos de distanciamento social, não é mesmo? As Redes Sociais são ferramentas diabólicas no quesito “gestão de comportamentos”, permitindo infinitas possibilidades;
  • The Washington Post... como? Sim, a Amazon controla um dos mais tradicionais Jornais Americanos (setor que ressurge das cinzas na era digital). Ou seja, os Bilionários têm interesse nos grandes canais de mídia, e certamente, não por acaso. Não é muito diferente no Brasil, como sabem e se não sabem, basta acompanhar e fazer uma breve pesquisa no Google para saber quem tem recebido investimentos e quem controla a CNN Brasil, por exemplo.

Mas não falei qual é o negócio mais lucrativo da Amazon, não é:

Pois bem, o negócio mais rentável da Amazon, que responde hoje por cerca de 70% dos seus lucros é um negócio chamado AWS – Amazon Web Services, uma plataforma de serviços de computação em “nuvem”, a chamada “Cload Computing” que viabiliza boa parte dos negócios Virtuais ao redor do Planeta. E aí? Caiu alguma ficha?

Um negócio similar à AWS é a Microsoft Azure, que inclusive, concorrendo com a AWS, ganhou recentemente um contrato do Exército Americano no valor de U$10 bilhões.

Em outras palavras:

Enquanto muitos negócios do “Mundo de Tijolos” e envolvendo “proximidade social” estão sendo devastados ao redor do planeta, tudo que envolve a “indústria do distanciamento social”, o “Mundo Digital”, cresce exponencialmente.

Pensei em colocar por aqui uma lista de negócios que estão sendo absolutamente alavancados pela Pandemia dentro do que estão chamando de “novo normal” (quanta criatividade, não é?) e uma lista longa de empresas muito tradicionais do universo de “tijolos”, que fecham suas filiais e mesmo os negócios ao redor do planeta, demitindo em massa.

Mas acho que nem é preciso colocar essa lista pois vocês já imaginam quais são: estamos falando que a Pandemia para uma boa parte da economia, criou uma espécie de “BURACO NEGRO” que vai sugando empresas; empregos e, o que é mais trágico: VIDAS.

Estamos na eminência de promover a MAIOR CONCENTRAÇÃO DE RIQUEZA da história da Humanidade: o que poderia ser uma oportunidade para rever erros, parece estar se convertendo em um simples movimento de “perdas e ganhos”, no que se refere a mercado e economia, o que reflete profundamente no ambiente social.

E QUAL É O OBJETIVO DESTE ARTIGO

Com base no que apresentei, quero chamar a atenção (de vocês, do Governo, dos Empresários, dos Intelectuais, dos Articulistas, daqueles que amam o Brasil) e alertar para alguns pontos que requerem posicionamento e ações:

  • O universo Digital e todos os seus recursos, estão prontos para “manipular em altíssima escala”, em massa a sociedade brasileira: “ficar em casa é também ficar refém”. Nunca foi tão essencial para as liberdades a “curadoria de conteúdos”;
  • O próprio governo que ainda está aparelhado, inclusive as Escolas e que vão receber recursos adicionais do Fundeb, podem contribuir para “desconstruir a imagem do Brasil aqui e lá fora”: basta ver a pesquisa que a UFMG fez, com recursos públicos, associando queimadas e desmatamento à pecuária brasileira;
  • Novas Pandemias vão ser “produzidas” para afetar, por exemplo, o Agronegócio Brasileiro, que é a grande esperança de retomada da nossa economia;
  • A “crise da saúde pública” é um negócio muito lucrativo: é preciso acompanhar o movimento das ondas pois a pandemia trará desdobramentos importantes;
  • A Mídia continuará sendo aparelhada e os canais que se opõe a todo esse aparato de manipulação estarão fortemente censurados. Esse é um jogo que a gente já está vendo e que precisamos encontrar formas de combater, com estratégia e pelos tramites legais. A sociedade, principalmente a população e os empresários, precisam se mobilizar pois afinal, estamos tratando da defesa do nosso país.

Fiquem ligados: o CORONA MONEY veio para ficar...

Foto de JMC Sanchez

JMC Sanchez

Articulista, palestrante, fotografo e empresário.

assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar