A derrocada de João Dória: “A impaciência em vencer pode, rapidamente, nos fazer perder”

O barco do Governador de São Paulo, João Dória, começou a fazer água, aliás, muita água.

Foi muito imprudente. Arriscou demais. Pensou que tinha carisma. Imaginou que tinha cacife.

Coitado...

Luiz IV, Rei da França, disse certa vez:

“A impaciência em vencer pode, rapidamente, nos fazer perder”.

Muitos companheiros do Governador paulista já diminuíram o tom sobre Bolsonaro, alguns já até se calaram, enquanto outros ensaiam uma mudança de time.

Dória fala sozinho.

Antes, impávidos, Ibaneis, Witzel e Caiado empalideceram.

Witzel, inclusive, dá a impressão de nem estar no Brasil. Simplesmente sumiu.

Caiado ensaia uma reaproximação com o Planalto.

Cada um que se expôs ao trair o Presidente sofreu um tombo gigantesco em suas popularidades.

Vide, Joice Hasselmann. Antes uma séria concorrente à prefeitura de SP, hoje ocupa o penúltimo lugar nas pesquisas. Desprezada, ridicularizada virou uma paisagem inconsequente; irrelevante.

Maia e Alcolumbre não podem sair à rua sem um pelotão de escolta.

Hoje, Maia não seria eleito nem vereador, tamanho o desprezo que possui junto ao povo.

Com um pedido de impeachment já protocolado, Dória amarga um futuro incerto no Palácio Bandeirantes.

A ideia de derrubar Bolsonaro, destruindo a economia do país para ferir sua imagem, se voltou contra ele. Aliás, contra todos que embarcaram nessa canoa anti-patriótica.

Dória, em desespero, continua com seus ataques diários ao Presidente, mas essa verborragia boomerang, vem drenando seus apoios.

Parece não haver ninguém para alertá-lo. Mas isso é comum. Políticos, muito amiúde avaliam mal seu próprio carisma.

Canalhas ordinários, como Dória, se recusam a compreender que houve uma mudança no país. Sua eleição, como a de muitos, deveu-se à Bolsonaro.

A base de apoio popular ao Presidente continua crescendo.

Suas Redes Sociais recebem mais adeptos e seguidores a cada dia. É um fenômeno, de fato. Bolsonaro pode ter um apoio reduzido no parlamento, mas nas ruas à população o admira, nas redes sociais é imbatível.

Político sem apoio popular NÃO SOBREVIVE.

Mais cedo ou mais tarde, quem precisa de voto acaba aderindo a quem tem muito e quem não tem nenhum fica sozinho.

Dória pode ter algum apoio no parlamento, mas já sem popularidade, com suas mentiras e falsidades aparecendo todo dia e com suas armações expostas num ambiente onde as redes sociais estão ativas e vigilantes do jeito que estão...(!!??!!)

Passou a ser um cavalo de três patas. Não se consegue mais encobrir o cheiro de seu fracasso. Se sua administração fosse boa ou regular, talvez o odor pudesse ser camuflado, mas nem isso. Sua administração é um fracasso retumbante. Uma incompetência vexatória.

Politicamente Dória morreu.

Quem continua falando é seu fantasma que não viu a luz

Comentários