Pare tudo e reflita: Como o Brasil vai ficar se a Esquerda voltar ao Poder?

Vou te contar uma história. Ela não é bonita. Na verdade é feia, muito feia. Pode ser que não aconteça, afinal, a história ainda está sendo escrita. É só uma história de ficção.

Vou logo te avisando, se nada for feito para impedir, não vai terminar bem.

Vamos fazer uma viagem no tempo, vamos até o dia 1º de janeiro de 2023. Assista comigo.

A Praça dos Três Poderes estará cheia, repleta, completamente lotada. O planalto transformado em um mar, um mar de gente. Quem são estas pessoas que saíram às ruas neste dia de vermelho? O que eles estarão comemorando? O que se passará no Brasil?

Seria um domingo, neste dia assistiriamos a posse do nosso novo velho Presidente da República. Enfim veríamos a posse para o terceiro mandato de Luís Inácio Lula da Silva! Quanta emoção!

Mas como foi que chegaríamos até lá?

Enquanto os que vestem vermelho, com a sigla do MST, as bandeiras do PSOL, do PCO, do PCB, do PSTU fariam a festa, você leitor conservador de direita se perguntaria:

“Como foi que isso aconteceu?”

Bem, vou te contar. Vou refrescar sua memória e te contar como e porque isto poderia acontecer.

Voltemos um pouco no tempo. Há um pouco mais de ano atrás, em 2019, teve início o inquérito ilegal das “fake news”, se lembra?

Se lembra como o inquérito foi instalado? Muita gente esperneou, a Raquel Dodge, depois o Ives Gandra. Atualmente o novo PGR, o Aras, o Dalari. Se lembra que ainda assim o inquérito está prosseguindo, e ninguém fez, e nem faz nada?

Se lembra da prisão dos dois que protestaram contra o Moraes? Pois é, estão na cadeia até hoje. A Sara e o Eustáquio saíram, mas estão manietados eletronicamente.

Se lembra como as provas envenenadas do inquérito das “fake news” foram incorporadas ao processo de cassação da chapa Bolsonaro/Mourão? Pois então, juntaram tudo, com o material da busca e apreensão dos apoiadores do Bolsonaro, já se esqueceu?

Pois é, estão juntando tudo e vão mandar para o TSE. Muita gente está esperneando, mas ninguém faz nada.

Pode ter uma certeza, o processo no TSE será célere. Muito célere. Nunca antes na história desse país se verá um processo com tal desenvoltura. Se bobear, em setembro de 2020 o TSE já terá cassado o Jair.

O Jair poderá até recorrer ao Supremo. E daí? Jogo de cartas marcadas. Aposto que o julgamento será tão rápido que nem vai dar tempo do Celso se aposentar, nem do Fux assumir a presidência do STF. Já estou até imaginando o voto do Celso de Mello.

Será inusitado, ele encerrará seu mandato quase eterno no Tribunal dando um voto surpreendentemente curto, seu voto deve até já estar escrito, deverá ser mais ou menos assim:

“Meu último ato como ministro desta nobre corte será restabelecer a ordem democrática, livrando o Brasil de um presidente ilegítimo, sem mais palavras acompanho o relator Alexandre de Moraes. É como voto senhor presidente Toffoli”.

O próximo passo? Em outubro de 2020 o Maia assume a presidência interina.

Com tudo armado o PT entra com uma ADI no Supremo Tribunal Federal.

Olha só o argumento maligno que eles vão apresentar. Com a condenação no TSE, ficaria provado que o Jair teria roubado as eleições, e devido à pandemia do COVID-19, e o Lockdown, não seria prudente realizar novas eleições, e sim anular todos aqueles 57 milhões de votos ilegítimos dados a Bolsonaro, e a vitória deveria ser dada ao Fernando Haddad.

O Barroso, presidente do TSE, que já adiou as eleições municipais, e é inimigo confesso do Presidente, irá abraçar esta tese inconstitucional do PT sem se preocupar com sua biografia.

O julgamento vai passar na televisão, na GloboNews, na CNN. Já imagino a cara de satisfação do Bonner, do Barroso, do Tofolli, do Moraes, do Fachin, do Gilmar, da Rosa, quando for formada a maioria no plenário apoiando a tese do PT.

Nesta hora, com a cabeça do Jair, o Messias, Bolsonaro, fincada na estaca, se levantaria o Santa Cruz sugerindo que o registro do PSL deveria ser cassado também, deste jeito eles vão poder cassar o PSL inteiro, e todos os mandatos de 2018 juntos.

O Eduardo, o Flávio, o Hélio Negão, a Janaína, o príncipe, o Jordy, todos cassados.

Nem na ditadura militar tantos parlamentares foram cassados por um simples ato jurídico. Alguns até chamarão de AI-6.

Curiosamente a Joice e o Frota não serão cassados, as más línguas dirão que minutos antes da decisão final do Supremo ela recebeu uma ligação do Dória dizendo: “Sai daí Joice, antes que o barco afunde.” Ela mudará para o PSDB.

Pois assim foi. O Jair cassado, o Haddad empossado, no dia de natal de 2020, ganhamos como presente, um novo presidente.

Isso pode acontecer no natal deste ano.

Se ninguém fizer nada.

Imagino o ministério que o Haddad iria montar.

Joice no recriado Ministério da Comunicação vai ficar à frente da “regulamentação” da Internet. Seu projeto criando o Comitê de Combate à Desinformação (CCD), que vai perseguir quem falar mal (ou a verdade, tanto faz) de político – deverá ser aprovado por unanimidade no Congresso, para desgosto dos youtubers de direita e de Nelson Rodrigues.

Uma das primeiras medidas do CCD será regulamentar o Whatsapp.

Pobres das tias do zap. Os grupos e listas de transmissão serão extintos. Agora só poderá enviar 5 mensagens por dia, e apenas para parentes. O Telegram e outros aplicativos de mensagens também serão enquadrados na nova norma.

Outra medida importante que a Peppa poderá tomar, será obrigar que todo o conteúdo postado no Youtube seja analisado, previamente, pelo CCD. Como o órgão ainda estará em formação, e terá muito trabalho para fazer, será normal que se leve alguns meses para o conteúdo ser liberado – se for aprovado – mas será para a nossa própria proteção, ela dirá.

Outra medida muito importante será democratizar o número de inscritos que um canal poderá ter. Aquele matemático da USP que previu que Haddad teria 99% dos votos válidos – com a anulação dos votos do Bozo – acertou em cheio, e será chamado para criar um algoritmo para estabelecer quantos inscritos um canal do Youtube deverá receber.

Vai funcionar assim, a pessoa faz uma inscrição geral no Youtube, e o algoritmo irá analisar sua vida pregressa na grande rede e direcionar o cidadão para um canal adequado à sua necessidade de reeducação política. DCM, Carta Capital, Revista Fórum, o Gramma, o Pravda, o Diário do Povo, terão preferência.

Felipe Neto será inscrição obrigatória.

Canais reacionários só poderão ter como inscritos os familiares do criador, com isso, alguns canais como o Terça Livre, a Paula Marisa, o Jornal da Cidade Online, não existirão mais, mas, será para o nosso bem.

Por que precisaremos de canais alternativos, se teremos a repaginada e reaparelhada Agência Brasil que nos dirá tudo o que precisaremos saber? E na boa, por que precisaremos saber de alguma coisa? Quem disse que conhecimento é poder? Como dizem nossos irmãos chineses, se temos o que comer e beber, prá que saber?

Fato comemorado pelo MBL e a grande mídia, será a volta de Moro para o Ministério da Justiça. Ele será perdoado pelo PT depois que confessar no Fantástico diante de cem milhões de pessoas, que condenou Lula sem provas, iludido pela turma da “República de Curitiba”.

Com a confissão de Moro, o processo de Lula será anulado. Lula será perdoado, indenizado, canonizado. O sítio e o apartamento serão devolvidos. O Instituto irá bem obrigado. As palestra voltarão de vento em popa.

Nas obras do Ministério da Integração Nacional será nomeado Ciro, o Exército será afastado e colocado no seu devido lugar, e as obras retornarão ao controle da Odebrecht, e suas irmãs.

E assim serão os dois anos do mandato de Haddad, até que em meados de 2022, uma grande concertação será feita no Congresso Nacional e será decidido que nas eleições presidenciais daquele ano teremos um chapa única. Lula escolherá Dirceu para vice.

Finalmente as injustiças serão desfeitas.

O bolsonarismo será equiparado ao nazismo. Nos livros escolares os quase dois anos do governo Bolsonaro serão descritos como “o golpe eleitoral de 2018”. Várias teses descreverão como a população foi enganada naqueles tempos sombrios em que o reacionarismo conservador manipulou um país inteiro.

Para que isso não ocorra novamente, nosso governo progressista fará vários acordos com o Partido Comunista Chinês, Cubano, e da Coréia do Norte, para adquirir know how, para proteger a população dela mesma.

Para evitar que se tenha pensamentos fascistas, o novo chip do Elon Musk que iria permitir ouvir música diretamente do nosso cérebro, vai passar por uma Upgrade pela Huawei para transmitir nossos pensamentos para o CCD da Peppa, e assim evitar que o mal conservador volte ao nosso país.

O próximo passo será estudar uma emenda constitucional para que o perdoado PT se tornar o único representante da população brasileira no Congresso. Diante da possibilidade de enfim terminarem as discussões políticas que só geram o ódio e a divisão da população.

Vários parlamentares já terão mudado de partido, a bancada do PT alcançará a maioria constitucional de mais de 308 deputados, e crescerá a cada dia, favorecida pelas fartas verbas do Esgotão, um pseudo escândalo de corrupção inventado por alguns reacionários da extrema direita, e assim teremos a implantação do sistema chinês de partido único no Brasil.

Finalmente seremos uma República Democrática.

No momento que isto acontecer eu estarei assistindo pela televisão em algum desconhecido no exílio, o momento em que Haddad passará a faixa presidencial ao Lula da Silva, e a emoção daquelas pessoas que vestirão vermelho na Praça dos Três Poderes, que mais tarde será rebatizada de Praça da Estrela Vermelha.

Ah, para encerrar, um último detalhe, se a Esquerda voltar ao poder, o Congresso, todos os 513 deputados petistas irá aprovar uma emenda constitucional que reintroduzirá a figura do Decreto-Lei.

O primeiro ato do presidente Luís Inácio Lula da Silva após sua posse será transformar a bandeira do PT em símbolo nacional substituindo a fascista bandeira verde, amarela, azul e branco.

Agora e para sempre nossa bandeira será vermelha.

É isso que vai acontecer se eu e você não fizermos nada e a Esquerda voltar ao poder.

Denilson Faleiro. Advogado

Comentários