assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

O padre e as investigações de desvio de R$120 milhões dos fiéis da igreja

Ler na área do assinante

Investigações estão apontando como suspeito de um milionário desvio de R$ 120 milhões, o padre Robson de Oliveira Pereira. Ele ocupava o cargo de reitor do Santuário Basílica de Trindade, em Goiás. Em razão das acusações e até de um pedido de prisão feito pelo Ministério Público, o padre pediu afastamento de suas funções do Santuário e da Associação Filhos do Pai Eterno (Afipe). O pedido de prisão foi negado.

A informação foi divulgada, na tarde desta sexta-feira (21), por meio de um documento assinado por Dom Washington Cruz, arcebispo da Arquidiocese de Goiânia.

O padre Robson, de 46 anos, é fundador e ocupava a presidência da Afipe. Até então, ele também era o reitor do Santuário Basílica do Divino Pai Eterno. Natural de Trindade, o religioso é uma figura presente na cena católica e tem um programa de TV em que promove momentos de reflexão com base em trechos da Bíblia e experiências pessoais, além de conselhos àqueles que pedem orientação religiosa.

Batizada de "Vendilhões", a operação que apura as irregularidades cumpriu, nesta sexta-feira, 16 mandados de busca e apreensão, inclusive, em imóveis ligados ao padre.

O Ministério Público de Goiás (MP-GO) investiga se o dinheiro pode ter sido usado para compras de bens luxuosos, entre eles, uma fazenda de R$ 6 milhões em Abadiânia, no leste de Goiás, e uma casa de praia, no valor de R$ 3 milhões, em Guarajuba (BA).

Segundo a arquidiocese, a Igreja Católica foi "surpreendida" com a ação do Poder Judiciário e do MP, mas aceita "com humildade" os atos praticados pela autoridade judiciária. A nota disse ainda que está, junto à Província dos Missionários Redentoristas de Goiás, "aberta para apurar com transparência quaisquer denúncias em desfavor de seus membros".

Ainda de acordo com a arquidiocese, o padre pediu afastamento "até que se esclareçam todos os fatos".

O defensor do religioso, advogado Pedro Paulo Medeiros, disse que o padre está "chateado com as acusações, mas tranquilo".

“Aquele que anda com a verdade não tem o que temer com acusações”, teria dito o padre ao advogado.

Fonte: G1

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários