assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Volta Macaco Tião... Wilson Witzel, mais uma vitima da maldição do Palácio Guanabara?

Ler na área do assinante

Existe uma lenda de que o Palácio Guanabara seja amaldiçoado.

Um dos escravos que trabalhou na primeira reforma da caas, ainda durante a monarquia, teria sido torturado por um feitor e, antes de morrer, teria lançado a seguinte maldição:

“Nenhum morador da mansão da Rua Guanabara terá tranquilidade enquanto lá viver”.

Na verdade não são as imprecações do escravo em seus últimos estertores que tem determinado a história de governantes corruptos que assombram o Palácio e o estado do Rio de Janeiro.

A verdeira maldição são os homens e mulheres que sentaram naquela cadeira. Afinal de contas, todos os cinco ultimos governadores eleitos do Rio de Janeiro, foram presos, ou estão presos.

Moreira Franco, respondendo a dezenas de processos. Garotinho, Rosinha e Pezão, já condenados, recorrendo em liberdade. Sérgio Cabral com 12 condenações que somam mais de 267 anos de cadeia, o qual tenta desesperadamente negociar uma delação premiada. Só falta saber quem ele irá entregar.

Benedita da Silva está em liberdade, é verdade. Mas, além de não ter sido eleita, não se sabe se não roubou por incompetência ou honestidade. Mas os oito meses dela à frente do Executivo estadual são para se esquecer.

Chega-se agora a decepção da vez. Wilson Witzel e seus hospitais de campanha superfaturados. A população do estado do Rio de Janeiro, cansada dos desmandos, de tanta roubalheira e desperdício do seu suado dinheirinho tomado através de impostos, acreditava que se elegesse um JUIZ, a coisa iria entrar nos eixos.

Não entrou.

Wilson Witzel se configura como a maior decepção de todas, porque a gente carioca acreditou que, com Witzel, a coisa seria diferente.

Não foi.

Neste dia, mandados de busca e apreensão foram cumpridos, além de 13 mandados de prisão, sendo três alvos que já estavam presos e dez em liberdade. Uma investigação aponta que Wilson Witzel seria o líder de um esquema de desvios na saúde, teor da Operação Tris In Idem, deflagrada pela Polícia Federal e a Procuradoria Geral da República.

O buraco em que Witzel se enfiou é tão profundo que até sua esposa foi junto, assim como seu vice, Claudio Castro, e o presidente da Alerj, o petista Andre Ceciliano, da rachadinha de 49 milhões de reais.

Witzel foi caguetado por seu ex-homem de confiança, ex-secretário de Saúde, Edmar Santos.

A operação da PF indica que Witzel também se cercou de integrantes de dentro e de fora do governo para dar continuidade ao esquema de corrupção, a exemplo de Sérgio Cabral, que está preso.

Se até o juiz está sendo acusado de ser um ladrão, o que será do povo do estado do Rio de Janeiro em 2022?

Volta Macaco Tião!

Denílson Faleiro de Souza. Advogado.

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários