assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

O mundo dual do defensor de criminoso, também conhecido como “isentão”

Ler na área do assinante

Uma das frases preferidas do defensor de criminoso, também conhecido como isentão, esquerdista, socialista, progressista ou comunista, é esta: "Precisamos superar essa polarização entre esquerda e direita".

Ocorre que todo defensor de criminoso é um ser profundamente polarizado e polarizador, sendo a polarização profunda sua principal arma, jogando negros contra brancos, gays contra heteros, homens contra mulheres, empregados contra empregadores.

Todo defensor de criminoso é um ser gerador de destruição e ódio, embora sua boca suja viva tomada por palavras bonitas e roubadas, tais como "democracia", "justiça", "igualdade" e "ressocialização".

O defensor de criminoso é incapaz de argumentar sem insinuar, ou deixar claro, que existem os inteligentes e justos como ele, por defenderem a supremacia da escória e a destruição da nossa cultura; e os que carecem de luzes, por defenderem os honestos e a preservação de nossos valores.

O defensor de criminoso também polariza ao dividir os políticos, jornalistas e demais cidadãos em dois grupos: os que estão com Bolsonaro e os que tentam derrubar Bolsonaro e recolocar a criminalidade de volta no poder Executivo. É por isso que todo antibolsonarista é um defensor de criminoso.

O defensor de criminoso também polarizou cinicamente na disputa Bolsonaro x Poste de Mafioso, argumentando que estava sendo "obrigado" a votar no Poste, por ser ele "uma opção menos ruim" diante de um presidente honesto e conservador.

O defensor de criminoso também polariza o mundo ao dividir as pessoas em "sensatas" e "insensatas", em "fascistas" e "antifascistas".

E, assim, de polarização em polarização, o defensor de criminoso leva adiante seu discurso absurdo de que é possível um mundo sem a polarização entre esquerda e direita.

Tudo visando um mundo onde só exista um lado, que é o da criminalidade esquerdista, a exemplo de seus "paraísos", como Cuba, Coréia do Norte, Venezuela e, agora, também a Argentina.

Marco Frenette. Jornalista e escritor.

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários