assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Cármen Lúcia (a “presidenta”?) quer explicações sobre Forças Armadas na Amazônia e fixa prazo de 5 dias

Ler na área do assinante

Recentemente o ministro Marco Aurélio Mello, num ato de extrema sensatez e louvável lucidez, alertou que partidos de oposição estão usando o Supremo Tribunal Federal (STF) para desgastar o presidente Jair Bolsonaro.

“Como já disse em sessão, do caso da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o STF está sendo utilizado pelos partidos de oposição para fustigar o governo. Isso não é sadio. Não sei qual será o limite”, afirmou o ministro.

Eis que esta semana, somos surpreendidos com mais um caso que demonstra exatamente isso que foi alertado por Marco Aurélio, a utilização do STF para “fustigar o governo”.

Uma ação do Partido Verde (PV) está questionando a presença de militares na Amazônia.

A legenda argumenta que o emprego das Forças Armadas está promovendo “verdadeira militarização da política ambiental brasileira”. E que estaria “usurpando competências dos órgãos de proteção ambiental, especialmente o Ibama”.

Parece óbvio que o PV está atuando em favor de ONGs com interesses contrariados.

E a ministra Cármen Lúcia entrou nessa onda “verde”, determinando ao presidente da República e ao ministro da defesa que prestem informações sobre o assunto no prazo de 5 dias.

Prestadas as informações, a ministra vai decidir sobre o assunto.

Se atender o PV, o autor da ação, deverá determinar o encerramento das ações militares na Amazônia.

A quem isso interessa?

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários