Nos minutos que antecedem o fim de sua gestão, Toffoli impõe mais uma derrota a Witzel

Ler na área do assinante

O governador Wilson Witzel gradativamente vai vendo o seu destino se delinear.

Nesta quarta-feira ele alimentava mais uma esperança de reassumir o cargo, nas mãos do ministro Dias Toffoli.

Porém, o presidente do Supremo Tribunal Federal, nesses momentos que antecedem o fim de sua gestão, negou o pedido de suspensão da liminar que determinou o afastamento do cargo, por 180 dias.

O governador foi afastado do cargo pelo ministro Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), em 28 de agosto.

No dia 2 de setembro, a Corte Especial do tribunal manteve a decisão por 14 votos a um.

Na decisão desta quarta-feira, Toffoli explicou que a decisão da Corte Especial substituiu a decisão individual do ministro Benedito Gonçalves. Como o recurso da defesa de Witzel foi contra a decisão de Gonçalves, Toffoli afirmou que a ação não poderia mais ser julgada.

“Essa alteração substancial no quadro jurídico-processual, inicialmente apresentado, acarretou, na esteira de precedentes, a perda superveniente do interesse processual”.

Assim, nessa toada, tudo indica que Witzel não será salvo.

Os seus pecados são gravíssimos.

da Redação
Ler comentários e comentar