assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Oligopólios: O 'poder paralelo' que comanda o Brasil (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

A corrupção que envolve OLIGARQUIAS e o Crime Organizado são os responsáveis por um “genocídio” que já matou e continua a matar, milhões de Brasileiros.

O Brasil tem sido dominado politica e economicamente por oligopólios cujos lobbies contaminaram e aparelharam os três poderes ao longo de toda a República, sendo inclusive, amplamente representados nas Cartas Magnas, sobretudo na Constituição de 1988 com seus 200 Artigos (e mais de 100 leis complementares) e já a mais emendada Constituição de todas com 107 emendas até este momento... e outras virão.

Mas é preciso entender isso melhor...

Atenção: este é um artigo longo, mas ao final desta página você pode ter acesso à versão Podcast (em áudio), se preferir.

Vamos em frente...

Estamos vivendo um momento único onde o Brasil vem sendo revelado como nunca antes.

Talvez um ótimo exemplo dessa revelação seja a produtora “Brasil Paralelo” cujos documentários excelentes, tem buscado recontar a “verdadeira” história do Brasil.

E nesse aspecto, as Redes Sociais representam vetores que tem o poder de propagar em larga escala, mensagens que nos permitem formar nossa própria opinião à partir de novas e relevantes narrativas multilaterais, não contaminadas pelo Establishment, o que inclui boa parte da mídia, que sempre se ocupou em “fazer nossas cabeças”, além de nos dispersar.

A verdade é que o aparelhamento e a “narrativa única” que perdurou por muitas décadas, promoveram uma estratégica “desinformação”, inclusive na educação, que produziu e ainda produz, uma geração de militantes de esquerda, à qual se somam “intelectuais e artistas”, boa parte “comprados” pela esquerda Progressista, principalmente nas ultimas quatro décadas e amplamente acelerado nas duas últimas.

Mas isso foi colocado em xeque com base nos escândalos de corrupção que vieram à tona, como o escândalo do mensalão em 2005 expondo os governos petistas e, assim estimulando investigações que culminaram com a Lava Jato à partir de 2014, amplificando e distribuindo pelas Redes Sociais, toda podridão que sempre existiu mas que agora tornava-se visível e explicita, pela primeira vez, para uma população muito mais antenada.

Assim, os tempos mudaram... e continuam mudando!

Mas o fato é que os Oligopólios e seus interesses econômicos e de poder tem determinado os rumos da República nos últimos 130 anos e tudo isso tem método e estrategicamente tem sido adaptado situacionalmente ao longo do tempo, como sabemos.

Se não nascessem mais corruptos, em 3 ou 4 décadas teríamos erradicado a corrupção..., mas isso é um sonho ou uma FANTASIA, pois as coisas não funcionam assim: onde há poder ou interesses econômicos, há corrupção... faz parte da natureza humana, infelizmente.

Feita essa breve introdução, quero me aprofundar um pouco mais no tema deste artigo e, nesse aspecto, vamos a algumas definições importantes.

Definindo oligopólio:

Situação de mercado em que poucas empresas detém o controle da maior parcela do mercado” e, nesse aspecto, o que temos é uma situação de “concorrência imperfeita” onde esse pequeno grupo de empresas determina os preços e demais aspectos relevantes da oferta de produtos e serviços.

Nesse aspecto precisamos entender melhor o que seria uma situação de CONCORRENCIA PERFEITA...

Chamamos de concorrência perfeita ou concorrência pura, a existência de um mercado onde nenhum participante (fornecedor ou comprador) tem o poder de definir o preço de um produto homogêneo. Nesse caso, a existência de oferta e demanda onde temos muitos fornecedores e muitos compradores permite que haja concorrência livre onde oferta e demanda é que determinam os preços e as condições de venda.

Mas é preciso entender que os OLIGOPÓLIOS (e organizações relacionadas) podem ter muitas e várias características e suas configurações são complexas e apresentam sutilezas e aspectos, muitas vezes subterrâneos nos quais se organizam. Mas podemos dizer que basicamente os OLIGOPÓLIOS podem se apresentar sob a forma de:

CARTEL: que envolvem acordos implícitos ou explícitos de importantes fornecedores no sentido de manipular vários fatores, mas principalmente os preços dos produtos de um determinado setor;
TRUSTE: representando a fusão de várias empresas no sentido de dominar determinado setor onde podem impor seus interesses;
HOLDING: empresas criadas para administrar outras empresas caracterizando formação “disfarçada” de um cartel.
CONGLOMERADO: grandes empresas que dominam determinados ramos de mercados (em geral são multinacionais).
MONOPÓLIO: estrutura que é semelhante a Oligopólio só que nesse caso, uma única empresa domina um determinado mercado ou setor.

CORRUPTOS E CORRUPTORES CONTRA UMA NAÇÃO

Quando falamos em corruptores que se encontram entranhados no sistema Oligárquico Brasileiro, de imediato vem à mente o segmento das EMPREITEIRAS (as citadas na Lava Jato, só em 2014 doaram 207 milhões para políticos), como exemplo de corrupção sistêmica capaz de cooptar, corromper e manipular membros do parlamento e do próprio Executivo, produzindo como vimos, o maior escândalo de corrupção do Planeta.

Mas creiam... os tentáculos do poder Oligárquico vão muito além do segmento das Empreiteiras.

Segundo Paulo Guedes, apenas para dar outro exemplo, disse: “somos 200 milhões de trouxas sendo explorados por 6 bancos”, para citar o grau de concentração existente no setor bancário. Na verdade, corrigindo essa afirmação, temos que 5 bancos detém 80% dos ativos, sendo estatais dois deles (Itaú com 20%, BB com 18%, Bradesco e Caixa com 16% e o Santander com 10%. O sexto seria o Safra com apenas 2%).

Assim, além do setor bancário, podemos citar:

O setor de Bebidas onde Coca-Cola; Ambev (detentora de 30 marcas dentre elas Skol, Brahma, Budweiser etc.) e Brasil Kirin (Pilsen, Malzbier, Glacial, Cintra, Baden Baden, Devassa, Eisenbahn etc.) todas com capital Internacional) detém 90% do mercado.
O Setor de Carnes é dominado por duas empresas (duopólio) que são a BRF (Sadia e Perdigão) e a JBS (Friboi, Seara, Swift, Maturatta e Cabana). A JBS é a maior empresa de proteína animal do mundo.
Outro duopólio (duas únicas empresas) está presente no setor de Chocolates onde Nestle e Kraft detém cerca de 76% do mercado.
O Oligopólio da Mídia Tradicional, representando por Globo, Record, SBT, e Band detém praticamente 100% da audiência da TV aberta no Brasil.
Na mídia Impressa, nada muito diferente: o mercado está quase 100% nas mãos da Abril, Folha, Globo e Estadão.
O Oligopólio da Telefonia apresenta 4 empresas que detém praticamente 90% do mercado de Telefonia no Brasil, mesmo que haja cerca de 1000 empresas habilitadas a operar. Dizem que esse arranjo é a “obra prima do Governo FHC”.
O setor automotivo, um dos que contribuiu para depor o presidente Collor, tem 80% do mercado nas mãos de apenas 5 marcas: Volkswagen, Fiat, Ford, GM e Renault.
No Setor Petroquímico todos os arranjos passam por Grupos bem conhecidos: PQU (Unipar, Down/Union Carbide/Suzano/Petroquisa), BRANKEN (Odebrecht/Petroquisa), COPESUL (Odebrecht/Ipiranga/Petroquisa) e RIOPOL (Unipar/Suzano/Petroquisa).

Ou seja, em qualquer setor onde tenhamos volume importante de recursos e, principalmente naqueles onde o Estado participa de alguma forma como fornecedor e principalmente, como cliente, certamente temos Oligopólios participantes e historicamente, corrupção.

Além disso, outros aspectos contribuem para que no Brasil, além da corrupção, tenhamos um modelo de CONCORRENCIA IMPERFEITA. Se analisamos, por exemplo, o mercado de E-Commerce, que apenas este ano deverá mais do que dobrar (passando de 5% para 12% do varejo total) e cujo crescimento pós pandemia continuará exponencial, vemos que está nas mãos de apenas 17 marcas representando cerca de 85% das vendas totais.

Enfim... exemplos não faltam em praticamente todos os setores importantes de nossa economia.

Assim, temos um modelo amplamente favorável à ação de CORRUPTOS e CORRUPTORES... e como isso ocorre?

Através de interesses espúrios, “EMPRESÁRIOS” representantes dessas oligarquias, de mãos dadas com o LEGISLATIVO, o EXECUTIVO e tendo a cobertura do JUDICIÁRIO nos termos de CONSTITUIÇÕES feitas sob medida, e muitas “vezes” ajustadas de forma corrente aos interesses dessas corporações (não raro MPs, Decretos Leis e outros arranjos jurídicos foram “vendidos” e feitos sob medida), submetem o Brasil e os Brasileiros a uma verdadeira sangria, drenando recursos de setores essenciais para os bolsos desses criminosos.

Isso ocorre com base em “esquemas” engenhosíssimos envolvendo “profissionais” altamente qualificados e recrutados para o cometimento de tais crimes.

A MALDIÇÃO: o que favoreceu esse tipo de CRIMES?

Como tenho dito, desde a Proclamação da REPÚBLICA as cartas magnas têm sido FERRAMENTAS para favorecer a ação das Elites que comandam o país: me refiro às Oligarquias principalmente que aliciam e corrompem todos os setores da vida pública no país.

A CONSTITUIÇÃO ATUAL com seus 200 Artigos e já 107 PECs, além das mais de 100 leis complementares está, na maior parte do tempo, a serviço de interesses que não os da sociedade brasileira. O ordenamento jurídico no País, segundo o Brilhante Jurista Ives Gandra, apresenta cerca de 34.000 regras legais, sendo: 10.204 leis ordinárias; 105 leis complementares; 5.834 medidas provisórias; 13 leis delegadas; 11.680 decretos-lei; 322 decretos do governo provisório e 5.840 decretos do poder legislativo.

Se esmiuçamos todo esse emaranhado legal, certamente encontraremos, de forma implícita, explicita ou dissimulada, muitos interesses dos Grupos de Interesse que citamos. Não é segredo para ninguém que muitas dessas leis, decretos-leis (quando eram possíveis) ou medidas provisórias (a partir de 2001) foram produzidos nas “mesas” de muitas dessas representantes do “sistema empresarial Oligopolizado”, tema deste artigo.

A REDENÇÃO: como podemos nos livrar dessa MALDIÇÃO?

O BRASIL tem uma importante oportunidade histórica para promover uma grande “limpeza” em boa parte dos setores que foram contaminados pela corrupção que se instalou no País desde a República e que teve desdobramentos importantes nas últimas décadas.
Para começar, acredito que já passou da hora de fazer um pente fino nesse monumental elenco de decretos-leis; MPs dentre outras que regem a atividade econômica no país e nesse aspecto, é importante ver, conhecer, estudar e entender a quem elas interessam ou mesmo se perderam o sentido de existir.
Além disso, é preciso rever de forma crítica todos os setores de nossa economia visando entender melhor o mecanismo que impacta a concorrência entre empresas: numa economia com orientação “liberal” é preciso caminhar para modelos de “concorrência perfeita” pois só assim, será possível corrigir aberrações e barreiras que impedem que tais setores possam se abrir a novos entrantes, o que também permitirá maiores investimentos no país, que precisa muito deles.
Os Governos Corruptos foram cúmplices no processo de drenar recursos da sociedade para os cofres do Estado (penalizando a sociedade e a própria atividade econômica), produzindo uma carga tributária absurda próxima a 35% do PIB em média e sabemos que isso está diretamente relacionado ao tamanho do Estado (e dos seus gastos).
Ao impor taxas de impostos absurda aos veículos (algo que pode variar de 33% a 47%), um setor Oligopolizado que busca elevar suas margens de lucro incessantemente, apenas para citar um exemplo, posicionam os veículos brasileiros dentre os mais caros do mundo... sem contar os preços da Gasolina, que embutem algo em torno de 44% de impostos.
E assim por diante em relação a outros tantos produtos que penalizam a sociedade brasileira. Ou seja, o Estado é uma espécie de sócio dos Oligopólios na “arte de drenar recursos da sociedade brasileira.

Uma coisa é certa: a facilidade que os CURRUPTORES sempre tiveram no País, dentre outras financiando campanhas políticas e depois cobrando o retorno, daqueles que ficaram com seus “rabos presos” (algo similar ao que ocorre na Itália e que inspirou a operação Mãos Limpas, que serviu de referencia para a Lava Jato).

O apoio Popular que além de grande é crescente, aliado ao expurgo de maus políticos que as URNAS poderão fazer nos próximos pleitos, são uma conjunção mágica, como citei em outros artigos, que determinam um novo patamar para a nossa “DEMOCRACIA” e isso poderá promover o maior alinhamento de poderes da nossa história.

O fato de termos um novo Governo que está seriamente empenhado nessa pauta e que há quase dois anos não apresenta nenhum caso de CORRUPÇÃO, é um divisor de águas.

Pela primeira vez na história da República é possível vislumbrar, mesmo que não seja fácil e nem rápido, o foco nos INTERESSES DO BRASIL e dos BRASILEIROS.

Confira:

JMC Sanchez

Articulista, palestrante, fotografo e empresário.

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários