assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Linguagem neutra: “Amigues” vocês precisam de um “Psiquiatre”

Ler na área do assinante

Vivemos o maior período de bonança da história da humanidade. Há 75 anos não temos um grande confronto mundial; pela primeira vez o número de miseráveis atingiu apenas 1 dígito; temos alimentos à disposição, a poucos passos de casa; o advento do capitalismo nos possibilitou o acesso a bens e serviços impensáveis até para a nobreza dos séculos passados.

Basta navegarmos por qualquer rede social e vermos a quantidade de anúncios que "pulam" nos nossos feeds. Uma infinidade de produtos absolutamente inúteis, que se tornaram gêneros de primeira necessidade. Já vi vídeos com mais de 10 minutos, apenas mostrando utensílios "extraordinários", que possibilitavam 25486 formas diferentes para cozinhar, fritar ou descascar ovos. Admirável mundo novo!

Todas essas facilidades criaram a geração mais fraca que já se teve notícia. Trintões, com estilo de lenhador, mas usando camisetas de cânhamo, cuidando de suas barbas (que agora são cobertas com máscaras, até quando caminham ao ar livre) com bálsamos vitaminados, indo trabalhar em bicicletas "eco-friendly" e incluindo alimentação vegana até na dieta dos "filhos" bulldogs franceses.

Uma geração que não respeita absolutamente nada, mas que exige que até seus distúrbios psiquiátricos sejam respeitados e normalizados. Sob o discurso de "quebra de padrões", tentam impor um novo padrão, absolutamente irracional e insano.

São filósofos, ideólogos, pensadores dos mais complexos problemas humanos. Afinal, não têm aquela mente pequena de seus pais e avós, que se limitavam às preocupações toscas, como alimentação, moradia e segurança. Eles são melhores de que isso. Seus intelectos privilegiados devem ser usados para solucionar as mazelas humanas, que eles mesmos criam, mesmo que não consigam sequer pagar o próprio aluguel.

"Floco de Neve", "Creme de Avelã" ou simplesmente "mimimi". Todos são nomes válidos para definir a imbecilizada "geração y". Pessoas que cresceram assistindo "banheira do Gugu", ouvindo "Mamonas Assassinas" e andando no "chiqueirinho" da Brasília do pai, mas hoje se ofendem não com palavrões ou ofensas, mas com PRONOMES!

Amigues, vocês precisam de ume psiquiatre!!!

"Tempos difíceis criam homem fortes; homens fortes criam tempos fáceis; tempos fáceis criam homens fracos; homens fracos criam tempos difíceis." (PROVÉRBIO ORIENTAL)

Veja o vídeo:

Felipe Fiamenghi

O Brasil não é para amadores.

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários