assinante_desktop_cabecalho

Morre Aloysio Faria: Um grande conservador (veja o vídeo)

Ler na área do assinante
“É possível ser Banqueiro e não perder a Humanidade”.

Sim, o Dr. Aloysio foi uma prova disso.

Quando falamos no Dr. Aloysio de Andrade Faria, temos que explicar, pois muita gente nunca o viu e poucos ouviram falar sobre ele. O homem é a discrição em pessoa, não por acaso era conhecido por “o banqueiro invisível”.

Então tenho que explicar, resumidamente: depois de abandonar uma bem estruturada carreira na medicina (era médico Gastroenterologista com sólida formação nos EUA) teve que atender, em razão da morte precoce do Pai, Clemente Faria, fundador do Banco da Lavoura de Minas Gerais, a um dilema e cuja decisão mudaria sua vida: o de abandonar a carreira médica (tentou conciliar as duas mas não deu certo, teve que optar, uma opção que lhe doeu por toda a vida) e adentrar no universo nebuloso das finanças.

Assim, assumiu o Banco da Lavoura que em 1971, que seria rebatizado com o nome de Banco Real e se tornaria um dos três maiores bancos privados do Brasil até a sua venda para o ABN Amro em 1998 e mais tarde, apenas para resumir, seria vendido pelo ABN ao Santander em 2007.

Mas a venda do Banco em 1998 não seria o fim da linha para o Dr. Aloysio no mercado Bancário. Além de não envolver várias empresas financeiras na operação de venda, de imediato ele fundaria um novo Banco, ou seja, surgia o conglomerado financeiro que incluiria o Banco Alfa (cujo nome é alusivo ao Jogo de Letras A de Aloysio e F de Faria) e outras 5 empresas, além de outras empresas muito conhecidas como a Rede Transamérica de Hotéis; a Rádio e TV Transamérica; a Agro Palma; a C&C Material de construção; a Sorveteria Labasque e outras. E assim continuou...

E o Real foi sem dúvida um dos Bancos mais inovadores do Mercado Brasileiro e talvez no mundo, já que o convívio com momentos de Hiperinflação no Brasil o obrigava a ser muito mais criativo que os demais ao redor do mundo civilizado.

UM CONSERVADOR LIBERAL

Tudo que defendemos hoje, foi defendido pelo Dr. Aloysio desde sempre. Acreditem, o lema do Banco era ORDEM E PROGRESSO, sim o mesmo que está inscrito no pavilhão nacional e vinha seguido da seguinte frase: “Ordem sem progresso é inútil. E progresso sem ordem é falso”!

A ele minha homenagem...

Passei 21 anos de minha vida no mercado Financeiro e no Banco Real, onde edifiquei boa parte da estrutura que me sustenta como gente e me fez acreditar no Brasil e nos Brasileiros.

Para dizer o mínimo de um ser humano excepcional...

O Dr. Aloysio foi um homem extraordinário: grande líder, empreendedor nato, de grande sabedoria e poderia ficar muito tempo enaltecendo suas qualidades e o legado indiscutível que deixa. Mas quero ressaltar sobretudo uma qualidade que deve saltar aos olhos de todos quantos tiveram o privilégio de o conhecer: o Dr. Aloysio foi o maior gestor de pessoas que eu conheci. Profundo conhecedor da natureza humana ele sabia, como ninguém, extrair o melhor de cada profissional... com isso ele fez cada profissional crescer e é claro, construiu um império maravilhoso, mas provando que o grande recurso de qualquer atividade é o ser humano. E que os valores e princípios de honestidade e sentido de brasilidade e de contribuir com a sociedade eram a linha mestra da conduta empresarial do banco e das empresas associadas.

Não há tristeza e sim gratidão e admiração por esse homem que viveu intensa e longamente, lúcido e em plena atividade por quase um século (nos deixa aos 99 anos). Assim, acho que ele se eternizou e se transformou numa meta para todos nós... um desafio imenso a perseguir.

Meu respeito, admiração e o testemunho de uma vida plena e rica de significados.

Durma bem, querido mestre!

HISTÓRIAS DO DR. ALOYSIO

Apenas para ilustrar dentre tantas e tantas histórias...

Como não falar dos Queijos de Minas?

Você sabia que no Mercado Central de BH temos 42 lojas de queijo que vendem cerca de 350 toneladas de queijo por mês e que em um único dia, caso empilhássemos os queijos teríamos a altura da Torre Eiffel ou em 12 dias algo como a Altura do Pico do Everest? Algo que se atribuído a sua história de 92 anos (do Mercado Central) nos daria, caso cada queijo fosse colocado lado a lado, mais uma volta inteira sobre o Planeta Terra.

Você talvez não soubesse, mas o Dr. Aloysio certamente sabia ...

No seu jeito especial de se comunicar por meio de “bilhetinhos” amarelos escritos de próprio punho, ele administrava o Banco e na verdade, todos os seus interesses.

Quando fui diretor do Banco Real em BH, recebia suas encomendas nos tais bilhetes e aprendia muito com eles...

Assim, uma de minhas missões era mandar buscar no Box da Dona Zelinha, loja que está no MC há cerca de 50 anos, os queijos preferidos dele.

Mas não pense que era qualquer queijo, não! Era queijo ½ cura cuja vaca a fornecer os 12 litros de que são necessários para produzir um único queijo, tendo ela se alimentado da capineira X (se tiver curiosidade procure entender melhor isso).

Conclusão: o Dr. Aloysio não comia apenas o queijo... ele degustava o sabor, a história, a excelência do processo e todo o conhecimento envolvido na sua produção.

O Brasil é feito por Brasileiros que entendem que a vida é mais do que uma contabilidade de dias.

Escute com atenção:

Foto de JMC Sanchez

JMC Sanchez

Articulista, palestrante, fotografo e empresário.

assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar