assinante_desktop_cabecalho

Mais pêssego para “todes”

Ler na área do assinante

Por decisão de um juiz do Rio de Janeiro, constará no documento de um determinado cidadão (cidadã? cidadê?), em vez de sexo masculino ou feminino, a expressão “sexo não especificado”.

Pessoa de “sexo não especificado” e “pessoa não-binária” são conceitos não previstos em lei alguma no Brasil, além de, obviamente, negados pela ciência, que há muito tempo descobriu que são fatores de ordem genética que determinam que o indivíduo seja ou do sexo masculino ou do feminino, independente de sua orientação sexual ou de sua maneira de se vestir (que devem ser respeitadas, é claro), ou de qualquer outro critério cultural ou comportamental.

Negar isso é uma espécie de, digamos assim, terra-planismo de “gênero”.

Mas se falta apoio jurídico e científico, resta ao menos o apoio da tal empresa que produz sucos com “mais pêssegos para todEs”...

Lembram do “Direito achado nas ruas”?

Esse deve ser uma variação: o (pseudo)Direito achado na prateleira do supermercado (junto com a pseudociência).

Marcelo Rocha Monteiro. Procurador de Justiça no Estado do Rio de Janeiro.

Fortaleça o jornalismo independente do Jornal da Cidade Online.

Faça agora a sua assinatura e tenha acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários