assinante_desktop_cabecalho

Um novo “adversário dos esquerdopatas”, mais uma reputação a ser destruída: a do futuro ministro do STF

Ler na área do assinante

Creio que os leitores ainda se lembram de um texto de minha autoria, publicado dias atrás aqui no JCO, em que eu explicava como a esquerda, por meio de seus canais oficiais (a grande mídia, claro) faz de tudo para destruir a reputação daqueles a quem considera inimigo ou adversário.

E basta ter um mínimo contato ou relação amistosa com o presidente Jair Bolsonaro que já é o suficiente para o chamado “cancelamento”, ainda que pelos meios mais distorcidos e mentirosos dos fatos.

Dei como exemplo o caso do deputado Celso Russomano (em quem nunca votei e provavelmente nunca votarei), que sequer recebeu o apoio de Bolsonaro, mas que por não ser o candidato de esquerda à prefeitura de São Paulo e, principalmente, por ter visitado o presidente no hospital, passou a ver sua filha e seu genro sofrerem ataques em reportagens sobre processos que respondem na justiça (em que ambos são réus e, se culpados, terão que cumprir a pena, o que considero justíssimo, mas cujo fato em sí não tem qualquer ligação com o político citado).

Pois bem, agora chegou a hora dos esquerdopatas atacarem o novo escolhido por Bolsonaro para ocupar a cadeira que vai ficar vaga no Supremo Tribunal Federal: o desembargador Kassio Nunes Marques.

Poucas horas após a decisão, já começam a pipocar as manchetes. No Globo, no Extra, na Folha, no Estadão, no Antagonistas e por aí vai.

Kassio Nunes liberou lagostas para o STF … Kassio Nunes não permitiu extradição de Cesare Battisti … Kassio Nunes permitiu matança de jumentos na Bahia …

Pois acho justo esclarecer melhor as acusações acima, sem qualquer intenção de defendê-lo, pois não conheço o indicado, nunca ouvi falar de seu nome, não faço ideia se será um bom ou mau ministro do STF.

Sobre as lagostas (e os vinhos premiados), a compra foi de 11 milhões de reais. Realmente um verdadeiro absurdo, que todos nós criticamos e vamos cobrar que não se repita.

Mas a tal “liberação” seguiu apenas o trâmite normal. A justiça questionou se havia ilicitude na compra e o caso foi para a primeira região, onde o novo ministro ainda está lotado como juiz. Em análise de colegiado, decidiu-se que não havia compra ilícita. Não se julgou ali a moralidade da compra, mas sim se os valores condiziam com o produto comprado, a quantidade e etc. Quem de fato liberou a compra foi quem viu a lista, aprovou e assinou o cheque, o então presidente do STF, ex-advogado do PT, Dias Toffoli.

Sobre os jumentos baianos, Kassio Nunes derrubou uma decisão da justiça que proibia o abatimento desses animais para a venda da carne (alguns países comem, assim como consomem de carnes diversos outros animais), do couro e de outras partes do corpo, usadas na indústria farmacêutica. Isso é apenas um preconceito. Trata-se de uma indústria que gera renda e empregos com base em determinado produto. São mais de 10 milhões de jumentos na Bahia (ha inclusive criações, como as de bois, aves e caprinos).

Como no Brasil não estamos acostumados a comer carne de jumento, ficamos “meio assustados”, entretanto não pensamos duas vezes em comer carne bovina, abatendo milhões da espécie, anualmente. Neste caso, há todo um folclore sobre a figura do jumento nordestino, “o eterno parceiro do homem na seca”. Tem também o jumento dos desenhos animados e etc. Mas na vida real é um animal consumível (ainda que eu não coma carne de qualquer espécie, por escolha própria).

Por fim, vamos ao caso Battisti. Segundo a grande mídia, o pecado de Kassio Nunes foi não ter concedido um pedido de extradição feito pela França, em 2015. Claro que sempre defendemos a extradição do assassino e terrorista italiano, mesmo antes de 2015, pois consideramos que ele sequer deveria ter ingressado em nosso país. Mas a decisão do então juiz foi baseada no fato de que a justiça, anteriormente, já havia recusado a extradição de Cesare Battisti para a própria Itália, local onde os crimes haviam sido cometidos, em processo que ainda corria e já era analisado em instâncias superiores.

De fato, liberar Battisti para a França seria como um desvio de rota em relação ao processo que já corria, e um provável desrespeito à justiça em curso. Enfim, o amigo do Lula, acabou mesmo extraditado em 2018 e cumpre prisão perpétua em sua terra natal. E não vi, na decisão do novo indicado do STF um ato imoral que possa macular sua reputação pessoal ou profissional.

Mas sabemos que isso é só o começo e logo virão mais “acusações.”

Como eu disse antes, até os vizinhos de Kássio não escaparão dos olhares inquisidores. O que importa para “eles” é destruir os “adversários”, seja lá como for!

Mario Abrahão. Jornalista, trabalha com produção de textos, rádio e televisão desde 1996. Pós-graduando em Ciência Política e em Gestão de Comunicação e Mídias Digitais, foi repórter setorista, em Brasília, desde junho de 2011 até o final de 2019. Reside agora em Jundiaí-SP, onde se especializa e prepara novos projetos de comunicação, com foco na política da região.

assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar