assinante_desktop_cabecalho

Aécio Neves e a vacina obrigatória: Oportunismo, covardia e hipocrisia!

Ler na área do assinante

Falar dos processos de toda ordem que recaem sobre os ombros do ex-senador, hoje deputado federal, Aécio Neves, é chover no molhado.

Em silêncio há tempos, ocupado pelo vazio que tomou conta do seu mandato, vem novamente mostrar todo o mau-caratismo que compõe sua execrável figura pública.

Nesta terça-feira, 27 de outubro, o roto deputado protocolou um projeto de lei (5040/2020) que prevê penalidades a quem se recusar a tomar a vacina.

Confira:

Propõe as penalidades conforme a Lei 4737 de 1965, como segue descrito:

I - inscrever-se em concurso ou prova para cargo ou função pública, investir-se ou empossar-se neles;
II - receber vencimentos, remuneração, salário ou proventos de função ou emprego público, autárquico ou para estatal, bem como fundações governamentais, empresas, institutos e sociedades de qualquer natureza, mantidas ou subvencionadas pelo governo ou que exerçam serviço público delegado, correspondentes ao segundo mês subsequente ao da eleição;
III - participar de concorrência pública ou administrativa da União, dos Estados, dos Territórios, do Distrito Federal ou dos Municípios, ou das respectivas autarquias;
IV - obter empréstimos nas autarquias, sociedades de economia mista, caixas econômicas federais ou estaduais, nos institutos e caixas de previdência social, bem como em qualquer estabelecimento de crédito mantido pelo governo, ou de cuja administração este participe, e com essas entidades celebrar contratos; (Vide Medida Provisória nº 958, de 2020) (Vide Lei nº 13.999, de 2020) (Vide Medida Provisória nº 975, de 2020).
V - obter passaporte ou carteira de identidade;
VI - renovar matrícula em estabelecimento de ensino oficial ou fiscalizado pelo governo;
VII - praticar qualquer ato para o qual se exija quitação do serviço militar ou imposto de renda.

O deputado, em sua justificação, faz suas considerações, e na simples leitura já nos deixa estarrecido. Basta citar este parágrafo:

“Quem recusar-se à vacinação estará agindo da mesma maneira que aquele que se recusa a participar das eleições. ...”

Além de sua conhecida conduta, sempre duvidosa, faz uma comparação ao cidadão brasileiro que nos parece mais uma ofensa.

Cabe a pergunta, sem maiores pretensões... estaria esse cara com seus miolos derretidos?

O PL está no aguardo de despacho do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia... Ops!!! Ai, ai, ai... O que dará essa mistura de duas tralhas?

EM TEMPO:

O STF já recebeu 4 ações que vão discutir o tema, como se segue.

PCdoB, PSol, PT, PSB e Cidadania

Ação que quer obrigar o presidente da República a proceder com atos administrativos para aquisição das vacinas e medicamentos aprovados pela ANVISA.

Rede

Pede que o governo apresente um plano de vacinação.

PDT

Requer que o STF dê autonomia a estados e municípios para que estes determinem a realização compulsória da vacinação.

PTB

Evoca a regra da Lei 13.979/2020 conferindo ao Estado a competência para determinar a realização compulsória de vacinação e adotar outras medidas profiláticas no combate à pandemia seja declarada inconstitucional.

O PTB também fez um requerimento solicitando que o STF determine uma audiência pública para discutir a vacinação obrigatória, com convite para Dra Nise Yamuguchi.

Você quer saber como ajudar o Jornal da Cidade Online?

É simples, fácil e rápido...

Só depende de você!

Faça agora a sua assinatura e tenha acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar