Em tom de ameaça, Maia diz que quem não tomar vacina pode ter restrição há lugares públicos

Ler na área do assinante

Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, continua com seu discurso obrigacionista em relação à vacina contra a covid-19.

Mesmo Já tendo sido declarado diversas vezes pelo presidente Jair Bolsonaro que a vacinação, mesmo com a liberação pela Anvisa, não será obrigatória, e com declaração da OMS nesse mesmo sentido, a turma que quer enfiar essa vacina “goela abaixo” parece não desistir.

Segundo Maia, quem não tomar a vacina contra a covid-19 pode sofrer restrições e perder o acesso a lugares públicos.

Para ele, o fato de que alguns países já tomaram decisão nesse sentido é o suficiente para impor o mesmo controle no Brasil.

Em uma declaração online, Maia deixou clara a próxima jogada a ser tentada: já que não conseguem apoio para a obrigatoriedade da vacinação, agora querem coagir os cidadãos, impedindo acessos:

“Há caminhos em que você não precisa obrigar, mas pode restringir o acesso das pessoas em alguns equipamentos públicos. Também existem muitas decisões de alguns países que só permitem a entrada das pessoas se tiverem tomado uma vacina específica”.

Felizmente, está próximo o momento de Maia deixar a presidência da Câmara e tomar o rumo do ostracismo.

Brevemente, sem o poder do cargo, só quem irá procurar o "Botafogo" será a PF...

Você se incomoda com as publicidades no site?

Você quer ajudar o Jornal da Cidade Online?

Então, faça a sua assinatura do JCO e navegue no site sem nenhuma publicidade.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você!

Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar