Ranking classifica o Brasil como lanterna no retorno de impostos

O Brasil ficou na 30ª posição do ranking, atrás de países como Uruguai (11º), Argentina (19º) e Grécia (16º).

O Brasil segue na última colocação de um ranking que mede a qualidade dos serviços públicos em relação ao valor desembolsado por contribuintes em impostos. 

Estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário (IBPT), mostra o país pela quinta vez seguida na "lanterninha" da lista, que considerou os 30 países com a maior carga tributária do mundo.

O ranking leva em consideração a arrecadação de tributos do país em todas as esferas (federal, estadual e municipal) em relação ao PIB (Produto Interno Bruto) de 2013 e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) da Organização das Nações Unidas (ONU), que mede a qualidade de vida e bem-estar da população.

O Brasil ficou na 30ª posição do ranking, atrás de países como Uruguai (11º), Argentina (19º) e Grécia (16º). As três primeiras colocações foram ocupadas por Austrália, Coreia do Sul e Estados Unidos, respectivamente. Na edição anterior do estudo, os três primeiros colocados foram, na ordem, Estados Unidos, Austrália e Coreia do Sul. O destaque desta edição foi o Reino Unido, que passou do 17º no ranking anterior para o 10º lugar.

De acordo com o levantamento, apesar de terem carga tributária muito próxima à do Brasil - que em 2013 foi de 35,04% do PIB -, países como Islândia (35,50%), Alemanha (36,70%) e Noruega (40,80%) estão muito à frente no que se refere a aplicação dos recursos em benefício da população, ocupando, respectivamente a 14ª, 15ª e 18ª posições.

O IBPT prevê que que os brasileiros dedicam, em média, 151 dias de trabalho ao ano para pagar impostos - o dobro do que era na década de 1970. Com isso, o último domingo, dia 31 de maio, marcou o "último dia de trabalho" de cada brasileiro para pagar impostos. Nesse item, Alemanha e Dinamarca superam o Brasil. Na Alemanha, os impostos consomem 139 dias de trabalho. Na Dinamarca, são 176 dias. 

(Fonte "Veja")

da Redação

Comentários