assinante_desktop_cabecalho

Defensoria Pública se esforça e consegue enxergar racismo no termo “Black Friday”

Ler na área do assinante

Inúmeras pessoas pobres necessitam de assistência jurídica e, por vezes, tem dificuldades de agendar atendimento nas defensorias públicas de todo o país.

Em contrapartida, algo inusitado e inadmissível está acontecendo com a defensoria pública do Amazonas.

O órgão está ‘recomendando’ aos comerciantes do estado que substituam o termo "Black Friday" por "Semana Promocional" para se referir ao dia - ou semana - em que o varejo faz promoções no mês de novembro.

Um ofício assinado pelos defensores Christiano Pinheiro e Leonardo Aguiar foi encaminhado na quarta-feira (4) à Câmara dos Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL) e à Associação Comercial do Amazonas (ACA). As entidades têm cinco dias para apresentar uma resposta.

No documento, os defensores argumentam que o termo "Black Friday", que em português significa "sexta-feira preta" ou "sexta-feira negra", carrega conotação racista implícita em razão de uma suposta correlação entre produtos com descontos e a cor da pele.

A notificação da defensoria pública parece ser uma tentativa clara de constranger e intimidar comerciantes. São defensores públicos fazendo uso do cargo para impor uma agenda ideológica.

É inacreditável...

Enquanto isso, inúmeras pessoas pobres se aglomeram nas defensorias atrás de assistência jurídica.

Você se incomoda com as publicidades no site? Você quer ajudar o Jornal da Cidade Online?

Então, faça a sua assinatura do JCO e navegue no site sem nenhuma publicidade.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você!

Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape
Ler comentários e comentar