O intrigante caso envolvendo a agência de checagem e uma advogada

Ler na área do assinante

A sociedade sempre teve um “pé atrás” com as tais agências de checagem de informação, mas o caso envolvendo a advogada e colaboradora do JCO, Flávia Ferronato, é de causar angústia a qualquer cidadão decente.

A forma como os “checadores imparciais” conduzem o “interrogatório” é de uma arrogância tão grande que, por um momento, supomos ter voltado aos tempos da Santa Inquisição; quando o “tribunal do bem” denunciava, perseguia, julgava e condenava todos que eram considerados uma ameaça à doutrina.

Sim, porque não se trata de questionamentos simples de autenticidade das informações e dados utilizados na matéria. Os “checadores” já têm o seu partido escolhido, ideologias e pontos de vista traçados. O que eles desejam, ao entrar em contato, é intimidar e fazer pegadinhas. As respostas dos futuros “cancelados virtualmente” – por melhor que sejam – sempre vão conduzi-los a uma via crúcis e o final todos já sabem: serão crucificados.

É o que está acontecendo com Flávia Ferronato, que foi abordada pela estudante de jornalismo, Andressa Vieira Almeida, de 24 anos, com mensagens de whatsapp, sob o pretexto de investigar quais dados foram empregados no texto de opinião que ela escreveu, chamado “Diferença de conduta nos testes da vacina de Oxford, Johnson & Johnson e a chinesa”.

Ferronato foi procurada para dar explicações à estudante que participa de um grupo autodenominado “Coletivo Niara”, pertencente a outro projeto chamado “Comprova”; cuja responsabilidade é do jornalista Guilherme Alpendre. Esquerdista convicto, foi de Alpendre a mediação em um “seminário de jornalismo” na Universidade Mackenzie, em fevereiro de 2016, para “debater credibilidade e propagação do discurso do ódio”. O encontro contou com a participação do humorista Gregório Duvivier, do hater Leonardo Sakamoto e da feminista Juliana de Faria. E, segundo o Blog de Reinaldo Azevedo, na Revista Veja, “todos unidos para acusar a direita de propagar ódio, enquanto eles veiculam amor”.

Flávia, que é experiente advogada, ciente de seus direitos, resolveu também fazer perguntas óbvias a “checadora” antes de responder qualquer coisa.

“Prezada, sou Flávia Ferronato, coordenadora nacional do Movimento Advogados do Brasil, você pode me responder algumas questões: qual seu DRT de jornalista? Qual o CNPJ do Coletivo e seu objeto social? O Coletivo tem autorização para prestar esse tipo de serviço? Há quanto tempo vocês trabalham para o Comprova? Vocês recebem remuneração por isso?”

Nenhuma das perguntas foi respondida.

Conclui-se que, com o selo de “checadores” que eles mesmo se dão, esquerdistas disfarçados de jornalistas arrasam reputações e o currículo de excelentes profissionais com o intuito de fechar veículos de mídia independentes e descredibilizar jornalistas.

“Esquecem” a existência do Código de Ética do Jornalista, Art. 15, que afirma: “as transgressões ao presente serão apuradas, apreciadas e julgadas pelas comissões de ética dos sindicatos e, em segunda instância, pela Comissão Nacional de Ética.” Até o momento, este é o único Código que continua vigente.

Você se incomoda com as publicidades no site?

Você quer ajudar o Jornal da Cidade Online?

Então, faça a sua assinatura do JCO e navegue no site sem nenhuma publicidade.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você!

Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar