Sobre cidades invadidas, como é o caso de Criciúma e gente que não presta

Ler na área do assinante

Todo desarmamentista é um criminoso ou cúmplice, o que dá quase na mesma.

O que houve em Criciúma é fruto da certeza dos criminosos de que poderiam invadir e aterrorizar a cidade sem encontrar nenhuma resistência armada por parte dos cidadãos.

Mas Criciúma não é um caso isolado. Inúmeros municípios brasileiros sofrem com o mesmo problema de bandidos que vêm fazer um "turismo criminal" com a alegria e tranquilidade de quem visita um parque de diversões.

Toda pessoa que não presta tem três convicções: a de que é bom desarmar a população; a de que é melhor ainda desarmar e limitar a ação da polícia; e a de que é uma ótima opção nunca reagir a nenhum assalto.

Dessas três convicções do Mundo dos Ratos surgem a equação do crime: cidadão desarmado + polícia incapaz + cidadão aterrorizado = supremacia da bandidagem.

Uma polícia, por melhor e maior que seja, não pode estar em todos os lugares ao mesmo tempo, dessa incapacidade temporal e física é que surge a necessidade de uma população armada.

Por isso, a equação das pessoas que prestam é essa: polícia eficaz + população armada = bandidagem aterrorizada.

Um conselho: não complique as coisas. Veja a realidade em sua simplicidade: defendeu o desarmamento do cidadão e deseja menos poder para a polícia? É vagabundo.

Marco Frenette. Jornalista e escritor.

Um movimento apócrifo, criminoso e fascista está tentando destruir o Jornal da Cidade Online.

Eles não admitem o debate. Querem castrar a liberdade de expressão e implantar o pensamento único.

Para tanto, tentam zerar nossas receitas, praticando o terrorismo junto a nossos anunciantes.

Ajude o JCO a continuar sobrevivendo com independência. Faça a sua assinatura.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar