Coronavac vai custar 3 vezes mais cara que a vacina de Oxford

Ler na área do assinante

Já passou da hora do Ministério Público investigar as reais intenções do governador de São Paulo, João Dória (PSDB), ao querer impor a vacina chinesa CoronaVac “goela abaixo” dos paulistanos.

Primeiro, porque o imunizante – um dos três que a China também distribui no país comunista – não está autorizado por nenhuma agência de vigilância sanitária asiática. Todas as vacinas utilizadas por lá tiveram apenas autorização emergencial para uso.

Em segundo lugar, houve a divulgação daquele contrato absurdo e sem valores entre o Instituto Butantan (que faz parte do Governo de SP) e a gigante farmacêutica Sinovac. CNN Brasil divulgou que o acordo comercial sequer discriminava valores.

Com a mídia em cima de Dória para que ele explicasse o caso, ele não teve outra alternativa e, no dia seguinte, convocou coletiva de imprensa. Mas, ao invés de justificar o contrato, exaltou outras obras do governo estadual. A notícia mais importante da entrevista, foi a informação que o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, deixou escapar, dizendo que a terceira fase (da eficácia) da vacina chinesa não tinha conseguido chegar aos 13 mil voluntários de que precisava.

Agora, o colunista Cláudio Humberto, foi direto ao ponto e denunciou aquilo que todo mundo já sabia: a vacina chinesa, sem eficácia comprovada, será 3x mais cara que a de Oxford. A CoronaVac vai custar US$10,30, cada dose. A anglo-sueca AstraZeneca tomou uma atitude muito mais nobre e vai vender a preço de custo: US$3. A imunização de cada indivíduo, nos dois casos, é feita com duas doses.

Então, é sim, um mercado bilionário, como o presidente Jair Bolsonaro já tinha alertado, no início da pandemia.

Na reunião de terça-feira (08), o ministro da saúde, Eduardo Pazuello, sentiu a pressão dos governadores João Dória e Flávio Dino (PC do B-MA), para que, vejam só, tivessem autoridade e autonomia para escolher o imunizante chinês sem aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e passando por cima do Governo Bolsonaro.

A reunião ocorreu um dia após o Reino Unido começar a vacinar a população prioritária com a AstraZeneca. O Governo Federal fez, imediatamente, um pedido de compra para adquirir o imunizante, mas os governadores espernearam.

Muito educado, Pazuello informou que “se houver demanda e preço, nós vamos comprar”. Isso é um “tiro de misericórdia” no afoito Dória. Afinal, os chineses estão pedindo R$ 22,4 bilhões para “imunizar” todos os brasileiros. Com a AstraZeneca, vai custar R$ 6,7 bilhões.

Uma diferença imensa, né, governador?

ATENÇÃO! Agora você tem a opção de assinatura do JCO com boleto!

Um movimento anônimo, criminoso e fascista está tentando destruir o Jornal da Cidade Online.

Eles não admitem o debate. Querem castrar a liberdade de expressão e impor o pensamento único.

Para tanto, tentam zerar nossas receitas, praticando o terrorismo junto a nossos anunciantes.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar