PIB da 'pobre' Venezuela, deve ter uma queda histórica de 30% em 2020

Ler na área do assinante

Embora os efeitos do coronavírus sejam sentidos em todos os países do mundo, os níveis de deterioração das condições econômicas variaram significativamente de país para país.

O ano de 2020 teve o efeito econômico de uma Guerra Mundial e registrará a maior contração na economia mundial desde 1946, como resultado do impacto da pandemia do coronavírus.

A América Latina sofreu a maior queda no Produto Interno Bruto (PIB) em mais de um século, já que aqui nós não fizemos parte do centro geográfico das Guerras Mundiais do Século XX, segundo informou a (Cepal) Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe

Os países latino-americanos já apresentavam baixas taxas de crescimento econômico — em média, 0,3% entre 2014 e 2019, antes mesmo de a pandemia de covid-19 eclodir.

Com a chegada da pandemia, os choques externos negativos e a necessidade de implementação de políticas de confinamento, distanciamento físico e fechamento das atividades produtivas se somaram a esse baixo crescimento econômico, que fez com que a emergência sanitária se materializasse na pior crise econômica, social e produtiva que a região viveu nos últimos 120 anos, conforme análise da Cepal.

Vamos conferir agora fatores específicos que influenciaram esses resultados ruins.

A Venezuela lidera com ampla vantagem a lista das economias latino-americanas que mais caíram no final do ano, com uma queda de 30%.

Escassez de combustível é outro elemento que alimenta o colapso da economia venezuelana

Esse enorme revés, no entanto, não é apenas atribuível à pandemia do coronavírus. Está relacionado a outros problemas que levaram a economia venezuelana a registrar seu 7º ano consecutivo de contração econômica em 2020.

Desde 2014, a dinâmica apresentada pelo PIB dos setores petrolífero e não petrolífero da economia venezuelana tem se caracterizado por uma contração prolongada e severa.

Essa situação se agravou em 2020 devido aos efeitos da pandemia do coronavírus, uma grave escassez de combustível e ao fracasso das políticas públicas impostas pelo ditador Nicolas Maduro.

Apesar de a Cepal esperar que em 2021 haja uma retomada nas economias latino-americanas, o que pode levar a um crescimento médio regional de 3,7%, a entidade estima que a Venezuela será o único país da região que não crescerá, embora deva registrar uma desaceleração no ritmo de queda de seu PIB, de 7%.

Pobre Venezuela, além dos problemas do coronavírus, ainda sofre com o vírus de uma ditadura socialista.

ATENÇÃO! Agora você tem a opção de assinatura do JCO com boleto!

Um movimento anônimo, criminoso e fascista está tentando destruir o Jornal da Cidade Online.

Eles não admitem o debate. Querem castrar a liberdade de expressão e impor o pensamento único.

Para tanto, tentam zerar nossas receitas, praticando o terrorismo junto a nossos anunciantes.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Foto de Emílio Kerber Filho

Emílio Kerber Filho

Escritor. Autor do livro "O Mito - Os bastidores do Alvorada".

Ler comentários e comentar