Brasil acerta ao investir na vacina de Oxford: AstraZeneca confirma 100% de eficácia para formas graves de Covid-19

Ler na área do assinante

Pascal Soriot, CEO da AstraZeneca, que desenvolve em parceria com a Universidade de Oxford a vacina contra a Covid-19, em entrevista neste domingo para o jornal britânico The Sunday Times, afirmou ter encontrado uma fórmula ‘100% eficaz’ na prevenção de formas graves de Covid-19, aqueles casos que exigem internação hospitalar.

A vacina Oxford/AstraZeneca deve ser aprovada nos próximos dias pelo órgão regulador do Reino Unido, segundo a imprensa britânica.

A expectativa é de que a imunização com a formulação seja iniciada em 4 de janeiro.

A vacina será produzida no Brasil numa parceria com a Fiocruz.

O imunizante é bastante aguardado por ser relativamente barato e não precisar ser armazenado a temperaturas tão baixas quanto a da Pfizer/BioNTech, por exemplo, o que facilitaria a imunização em grande escala, segundo a agência AFP.

“Acreditamos ter encontrado a fórmula vencedora e como alcançar uma eficácia que, com duas doses, é tão alta quanto as outras”, disse Soriot.

Em testes clínicos realizados até agora no Reino Unido, Brasil e África do Sul, o imunizante atingiu uma proteção média de 70% dos casos – até 90% para quem recebeu primeiro metade da dose e depois uma dose completa.

No Brasil, o Ministério da Saúde espera ter 100 milhões de doses do imunizante de Oxford no primeiro semestre de 2021.

ATENÇÃO! Agora você tem a opção de assinatura do JCO com boleto!

Um movimento anônimo, criminoso e fascista está tentando destruir o Jornal da Cidade Online.

Eles não admitem o debate. Querem castrar a liberdade de expressão e impor o pensamento único.

Para tanto, tentam zerar nossas receitas, praticando o terrorismo junto a nossos anunciantes.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você ainda terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: Gazeta do Povo

da Redação
Ler comentários e comentar