Imprensa internacional começa a desmascarar farsa de Dilma Rousseff

A intenção da presidente Dilma Rousseff de levar ao mundo os acontecimentos recentes na política brasileira como um golpe contra a democracia está definitivamente caindo por terra.


Claro exemplo é a última reportagem sobre o assunto da revista britânica "The Economist".

A respeitada publicação dedicou um texto de sua edição impressa para o que chamou de "grande traição" que o Brasil sofreu, tanto pela presidente Dilma Rousseff, quanto pela classe política.

A reportagem, que mereceu a capa da revista, critica o momento atual brasileiro e cita a forte recessão, a previsão de queda do PIB, altas taxas de inflação e o desemprego.

A responsabilidade, de acordo com a revista, deve ser atribuída a Dilma e aos políticos, envolvidos em corrupção e negligência. 

Para a revista, que pede a renúncia da presidente, o que é alarmante é que "aqueles que estão trabalhando pela remoção dela são muito piores".

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), é investigado no esquema de corrupção da Petrobras e, dos 21 deputados envolvidos na Lava Jato, 16 votaram pelo impeachment, lembra o texto. "Cerca de 60% dos parlamentares são acusados de algum crime", completa.

A revista britânica é esperançosa ao afirmar que o Brasil tem "reservas de tolerância" e que as investigações da Lava Jato são fruto da maturidade do país e de uma nova e bem-educada classe média, que se nega a se envolver com a impunidade.

A publicação defende novas eleições.

da Redação

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política