Diretor de escola em SP faz terror em "zap" para manter crianças longe das aulas presenciais

Ler na área do assinante

Parece que não satisfeitos com a decisão da justiça em liberar as aulas presenciais no estado de São Paulo, alguns funcionários de escolas, têm feito “terrorismo” em grupo de Whatsapp, composto por pais e responsáveis dos alunos mais a equipe de profissionais da instituição.

Na escola municipal “Carlos de Andrade Rizzini”, as mensagens “do bem” vêm do próprio diretor Paulo (cujo sobrenome não quis informar). Para manter os estudantes o mais longe possível do colégio, o diretor disparou mensagem no aplicativo, cujo grupo apenas o administrador pode encaminhar mensagens; amedrontando os pais sobre possível aumento no número de infecção e mortes após a volta às aulas.

“Olhem como nossos governantes pensam no retorno dos nossos alunos. Vejam o que teremos que notificar. Ou seja: já se sabe o que vai acontecer. Acredito que não ingressei no magistério para contar o número de alunos que vão morrer”, alarmou.

Mãe de um aluno procurou a redação do Jornal da Cidade Online e denunciou a atitude do gestor.

“O grupo de Whatsapp é da escola. Meu filho, por exemplo, tem acesso às mensagens, pois ele tem livre acesso ao meu celular. Agora, você imagina: eu e meu filho estamos passando por várias dificuldades psicológicas e financeiras, aí o meu filho lê uma mensagem dessas e as coisas, desde então, só pioraram”, lamentou.

Procurado pelo Jornal da Cidade Online, o diretor não negou que tenha encaminhado a mensagem. Mas, disse que “não era o momento para voltar às aulas”; porque, de acordo com ele, faltam as condições necessárias para garantir a segurança de todos.

“As crianças não respeitam todas as regras (de distanciamento), faltam funcionários de limpeza.. Que condição eu dou ao aluno para ele voltar às aulas?”, tentou justificar o teor da mensagem.

As escolas da capital paulista estão em fase amarela e seguindo os protocolos sanitários do estado foram autorizadas pela Justiça a retornar às aulas presenciais com até 70% do quantitativo.

Para o cumprimento das regras sanitárias de retomada das aulas, o governo de São Paulo garantiu ao TJ-SP que a secretaria de Educação conta com farto material de saúde, como máscaras, álcool gel e termômetros. Os itens serão distribuídos entre as unidades de ensino de todo o estado, para uso de alunos e funcionários.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar