Certeiro, Augusto Nunes explica por que os ministros do STF agem com rapidez quando são "insultados" (veja o vídeo)

Ler na área do assinante

O jornalista e comentarista Augusto Nunes fez uma brilhante análise sobre a rapidez que os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) têm de agir, quando são, supostamente, insultados.

“É claro que o deputado federal Daniel Silveira poderia ter feito em outros termos as mesmas acusações que fez ao Supremo Tribunal Federal (STF). Mas, por ter ultrapassado os limites da civilidade a Comissão de Ética da Câmara poderia julgá-lo por quebra de decoro”, afirma.

Em vez de recorrer a esses caminhos, o ministro Alexandre de Moraes optou pela “trilha à beira do penhasco”. Amparado no inquérito ilegal dos atos antidemocráticos, decretou a prisão em flagrante do parlamentar fluminense e, assim, preciptou uma crise institucional; envolvendo Legislativo e Judiciário.

“Confusos e contraditórios, os trechos da Constituição que tratam da prisão de deputados e senadores permitem diferentes interpretações. Mas, os brasileiros decentes costumam ver as coisas como as coisas são. Aos olhos da sensatez, é impossível compreender por que o Supremo age com tanta pressa e indignação, quando se sente insultado; enquanto contempla com indulgência casos bem mais graves”, criticou.
“Por exemplo, o da deputada acusada de mandar matar o marido ou do deputado capturado com dinheiro na cueca ou mesmo os casos de tantos bandidos com imunidade parlamentar que o STF não julga por falta de tempo ou excesso de provas”, finalizou.

Confira o vídeo:

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

da Redação
Ler comentários e comentar