Traficantes "vigiam" os policiais, com fuzis na mão e usando drogas

Ler na área do assinante

Traficantes do Rio montaram uma base em cima da UPP do Andaraí, na Zona Norte do estado.

Não é brincadeira, não. Os criminosos ficam, literalmente, em cima das cabeças dos policiais militares, monitorando entrada e saída de qualquer pessoa, inclusive, dos agentes.

Os bandidos passam o dia “trabalhando” com fuzis na mão e usando drogas no local, a poucos metros acima da porta de entrada da unidade policial.

O relatório do setor de inteligência da polícia aponta que “a presença de meliantes fortemente armados logo em cima da base” tem como objetivo “ameaçar e afrontar os policiais que nela trabalham, representando uma séria ameaça à segurança orgânica do aquartelamento, bem como incremento da vulnerabilidade nos deslocamentos realizados pelo efetivo das atividades meio e fim para assunção e troca de serviço”.

É dessa forma que trabalham nossos guerreiros pela segurança da sociedade. Ficam à mercê dos criminosos 24 horas por dia. E essa conduta é multiplicada quando, em junho de 2020, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), proibiu em decisão liminar a realização de operações policiais em comunidades em virtude da pandemia da Covid-19.

O texto prevê ainda responsabilizações civil e criminal em caso de descumprimento. Fachin permite operações somente em "hipóteses absolutamente excepcionais", mas não exemplificou quais eram.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: Extra

da Redação
Ler comentários e comentar