Só Poesias: Mãe.

Teu ventre foi a minha morada Tua alma até hoje me guarda

****Mãe****

Teu ventre foi a minha morada

 Tua alma até hoje me guarda

 Nas minhas lágrimas refletiu o teu sorriso

 Teu corpo quente em silêncio calou meu grito

 Nasci bendito fruto e irmão de todos

 Filho pra uns, amor para os outros.

 Bendita mulher que acolheu o meu espírito

 E ensinou que só o bem abre os caminhos.

 Cresci pisando em chão, não em vão!

 Encontrei flores e alguns espinhos.

 Valorizei cada percurso, cada pedra nessa vida estrada,

 Sem tuas mãos me apoiei nas tuas palavras.

 Sei que nada é ao acaso

 Cada coisa tem seu devido tempo,

 Tudo é obra do divino

 Alimentou assim meu sentimento.

 Anjo, quando em terra esconde as asas.

 Dádiva ímpar, luz por natureza de essência inestimada.

 Mãe.

 Três letras. A mais perfeita poesia em mim guardada!

(Heleno de Paula)

Maria Catherine Rabello

Pernambucana, amante da poesia. “Amo minha vida e todos que fazem parte do meu mundo. Poesias são sonhos vividos, lembrados ou desejados. Poesia acalenta a alma e o coração. Sonhar é viver, viver feliz! Amo poesias, poesias de amor sempre! Sou sonhadora e feliz. Meus rabiscos são meus segredos, meu baú de sentimentos. Apresento lindas poesias de muitos corações iguais ao meu. Amar sempre!

Mais de Maria Catherine Rabello

Comentários

Mais em Mundo da Poesia