Funcionários do Itaú que pediram auxílio emergencial de forma irregular serão demitidos "por justa causa"

Ler na área do assinante

O Banco Itaú vai demitir todos os funcionários que se cadastraram para receber o auxílio emergencial, em 2020. O benefício do Governo Federal foi lançado para amenizar as consequências da pandemia da Covid-19, que diminuiu ou anulou, consideravelmente, a rendas dos mais vulneráveis e, principalmente, daqueles que vivem de economia autônoma. E, por isso, não poderia ser solicitado por quem estava empregado.

O banco afirma que a pratica caracteriza desvio de conduta, motivo pelo qual leva à demissão por justa causa.

“Ao identificar que alguns dos seus profissionais solicitaram o auxílio emergencial disponibilizado pelo Governo Federal, prática que caracteriza desvio de conduta, o banco decidiu pelo desligamento desses colaboradores”, informou a instituição, em nota.

E completa:

“Para o Itaú Unibanco, ética é um valor fundamental, que deve ser cultivado não apenas nas decisões do banco; mas também dos seus colaboradores, que são orientados e treinados de forma recorrente sobre o tema”, afirmou, acrescentando que os colaboradores recebem orientações de conduta. O banco não divulgou quantos funcionários serão demitidos.

A Receita Federal informou que, pelo menos, 3 milhões de brasileiros terão que devolver os valores do benefício recebidos de forma indevida no ano passado. Para verificar quem recebeu, irregularmente, o Fisco tornou obrigatória a declaração no Imposto de Renda de 2021 dos contribuintes que receberam, durante o ano, mais que R$ 22.847,76, somando o valor do benefício.

“O contribuinte, que tenha recebido rendimentos tributáveis em valor superior a R$ 22.847,76 no ano-calendário 2020, deve devolver os valores recebidos do auxílio emergencial, por ele e seus dependentes”, informou a instituição.

Quem teve rendimentos tributáveis acima desse valor não se encaixa nas regras para receber o auxílio e deve devolver o dinheiro para os cofres públicos, por meio de Documento de Arrecadação de Receitas Federais (Darf), gerado no momento de preenchimento da declaração.

Em tempos de "censura", precisamos da ajuda do nosso leitor.

Agora você pode assinar o Jornal da Cidade Online através de boleto bancário, cartão de crédito ou PIX.

Por apenas R$ 9,99 mensais, você não terá nenhuma publicidade durante a sua navegação e terá acesso a todo o conteúdo da Revista A Verdade.

É simples. É fácil. É rápido... Só depende de você! Faça agora a sua assinatura:

https://assinante.jornaldacidadeonline.com.br/apresentacao

Fonte: JPNews

da Redação
Ler comentários e comentar